Ir direto ao conteúdo

A crise dos refugiados na Europa em 5 gráficos

Qual a origem e o destino dos solicitantes de refúgio, quantas pessoas foram acolhidas e quantas foram rejeitadas numa das piores crises humanitárias desde a Segunda Guerra Mundial

     

    O número de imigrantes que solicitam asilo na Europa cresceu 594% em apenas em sete anos, passando de 26 mil pessoas em 2008 para 183 mil em 2015. É a maior onda migratória no continente europeu desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), mas apenas uma pequena fração do fenômeno no mundo, onde, segundo a ONU, 60 milhões de pessoas foram deslocadas de suas casas fugindo de conflitos e perseguições políticas só em 2015.

    Crescimento em 7 anos

    Os dados dos gráficos abaixo se referem apenas a imigrantes que entram na contagem formal dos órgãos migratórios europeus por meio de pedido de refúgio ou asilo. Esses pedidos são feitos com base, principalmente, no Estatuto do Refugiado de 1951, que determina a concessão do refúgio apenas em casos de fundado temor de perseguição no país de origem do solicitante.

    TOTAL

    Origem dos pedidos

    Os principais solicitantes de refúgio, hoje, na Europa, vêm da Síria. O país enfrenta desde 2011 os efeitos de uma guerra civil que se transformou ao longo de cinco anos num conflito armado internacional, com participação de quatro das cinco potências que têm assento no Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, Reino Unido e França.

    A ONU se refere à Síria como palco de uma das maiores emergências humanitárias da atualidade. O principal ponto de discórdia entre as partes em conflito é a permanência ou não do presidente Bashar al-Assad no poder.

    Afegãos e iraquianos ocupam o segundo e o terceiro lugares da lista. Ambos países foram palco recentemente de ocupações militares lideradas pelos EUA após os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001. O restante dos países têm a deterioração econômica como tônica, mais do que a violência.

    PARTIDAS

    Os países de destino

    A Alemanha lidera com larga distância os pedidos formais de refúgio apresentados por cidadãos sírios a países europeus. O gráfico abaixo mostra o número de solicitações formais feitas por sírios entre outubro de 2014 e setembro de 2015 aos sete maiores receptores das solicitações.

    ABRIGO

    Acolhida aos sírios

    O gráfico abaixo mostra a relação entre acolhida e rejeição aos pedidos formais apresentados pelos sírios entre outubro de 2014 e setembro de 2015 aos seguintes países: Alemanha, Suécia, França, Holanda, Suíça, Reino Unido e Itália.

    Esse dado se refere apenas ao pedidos formalizados. Eles não incluem, portanto, os imigrantes que, pôr temor de terem seus pedidos rejeitados, de serem presos e deportados, sequer chegam a dar entrada formal no pedido de refúgio diante das autoridades.

    DECISÕES

    Respostas favoráveis

    Por fim, a lista abaixo mostra quais os países que, percentualmente, emitiram mais decisões positivas para pedidos de refúgio apresentados entre outubro de 2014 e setembro de 2015.

    PARECERES

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!