Ir direto ao conteúdo

Kendrick Lamar e Taylor Swift: o ativismo no Grammy

Artistas ganharam prêmios e abordam temas como feminismo, encarceramento massivo e violência policial contra negros durante apresentação e discurso

     

    O rapper Kendrick Lamar e a cantora Taylor Swift foram os astros da mais recente edição do Grammy, que aconteceu na segunda-feira (15). E não foi só porque, juntos, os dois levaram quase todos os prêmios, mas pela maneira como usaram o palco para transmitir mensagens políticas.

    Lamar e Taylor Swift disputaram a principal categoria da noite, a de Álbum do Ano, ele com “To Pimp a Butterfly” e ela com “1989”. A vitória ficou com a cantora, que ainda foi premiada em outras duas categorias. Lamar venceu em cinco. Veja como os dois artistas se posicionaram politicamente durante a premiação:

    Taylor Swift: feminismo e um ‘shhhh’ para Kanye West

     

    Este foi o discurso, curto e incisivo, de Taylor Swift ao receber o prêmio de Melhor Álbum do Ano pelo disco “1989”:

    “Como a primeira mulher a ganhar o prêmio de ‘Álbum do Ano’ no Grammys duas vezes, quero dizer para todas as jovens mulheres por aí: vai ter gente ao longo do caminho que vai tentar menosprezar seu sucesso ou levar crédito pelas suas realizações. Mas se você se concentrar no trabalho e não deixar essas pessoas te distraírem, no dia em que você chegar lá, você vai olhar ao redor e vai saber que foi você e as pessoas que te amam que te fizeram chegar lá, e vai ser a melhor coisa do mundo.”

    Além de um recado para as mulheres no geral, foi uma resposta ao rapper Kanye West. Na canção “Famous”, lançada em fevereiro, Kanye diz “Acho que eu e Taylor ainda deveríamos transar/Por quê? Eu fiz aquela vaca ficar famosa/Puta merda/Eu a fiz ficar famosa”.

    Kanye West é conhecido por sua postura egocêntrica. Na letra, ele se refere a um episódio de 2009, durante outra premiação musical, o MTV Video Music Awards. Na ocasião, Taylor subiu ao palco visivelmente emocionada depois de ter o clipe de “You Belong With Me” ter sido escolhido como melhor clipe feminino do ano.

    West subiu ao palco também, tomou o microfone da mão dela e disse “Yo, Taylor, tô muito feliz por você e vou te deixar terminar, mas a Beyoncé fez um dos melhores clipes de todos os tempos”.

    A situação deixou Taylor e Beyoncé claramente desconfortáveis. Mais adiante na premiação da MTV, quando Beyoncé ganhou por “Single Ladies” como melhor vídeo do ano, ela cedeu seu discurso de agradecimento para que Taylor pudesse terminar o dela.

    Lamar: contra prisões massivas e violência policial

    O rapper cantou “The Blacker the Berry” e “Alright” e emendou com uma canção inédita. O que surpreendeu foi a carga emocional da performance: Lamar, os músicos e os dançarinos aparecem com roupas de presidiários, algemados e atrás de grades. Assista à apresentação completa:

     

    A apresentação foi um protesto contra o alto índice de encarceramento de jovens negros nos Estados Unidos. A letra fala sobre racismo e abuso policial. “Você me odeia, né? Você odeia meu povo, planeja exterminar minha cultura”, diz a canção.

    Antes da apresentação, o produtor do Grammy, Ken Ehrlich, disse à Billboard que Lamar afirmou à produção que queria usar seus minutos de apresentação para criar uma performance que fosse consistente com temas que ele enfrenta todo dia.

    “É bastante político e bastante provocativo, e eu acho que nada mais daria tanto combustível para que as pessoas pensassem e falassem sobre isso”, disse ele.

    Antes dele, no início de fevereiro, durante a final do Super Bowl, Beyoncé também usou sua apresentação para falar da violência policial contra jovens negros.

    Ativismo nas premiações

    O Grammy não é conhecido pela frequência de manifestações de cunho político. Em 2014, no Grammy Latino, o cantor René Pérez Joglar vestiu uma camiseta em que questionava o desaparecimento de 43 jovens estudantes mexicanos. Em 2015, durante sua apresentação, Katy Perry deu espaço ao depoimento de uma vítima de violência doméstica a fim de chamar a atenção para o tema.

     

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: