Por que é raro partidos brasileiros escolherem seus candidatos em prévias

Histórico de criação de legendas sem base social e culto à personalidade favorecem decisões tomadas pela cúpula; modelo utilizado no Brasil tem pouca semelhança com o norte-americano

     

    Ano de eleição é ano de disputa entre políticos da mesma legenda para saber quem sairá candidato, e no Brasil e essa escolha costuma ser feita a portas fechadas, com muita conversa na cúpula dos partidos. Mas há momentos excepcionais em que a decisão é aberta aos filiados. São as chamadas prévias.

    Não é nada parecido com o que ocorre nos Estados Unidos, onde as primárias (as prévias dos americanos) começaram a ser adotadas de forma extensa a partir da década de 1920 a fim de coibir autoritarismo e a corrupção nos partidos. Lá as disputas são abertas e os candidatos realizam uma extensa agenda de debates para a escolha do candidato.

    Junte-se ao Nexo!

    Fique informado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    Você pode cancelar quando quiser sem dificuldades

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.