Os cientistas gostaram da nova lei de inovação. Mas há ressalvas

Veto de Dilma retirou benefício fiscal para empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento; licitação facilitada e sinergia com setor privado são elogiados

     

    O novo marco legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, sancionado na segunda-feira (11) pela presidente Dilma Rousseff, no geral agradou à comunidade científica, que participou da sua formulação ao longo de cinco anos de trâmite. Mas há ressalvas em relação aos vetos de Dilma ao projeto de lei.

    O principal veto retirou a isenção de impostos para empresas importarem produtos e insumos destinados à pesquisa tecnológica. Apenas órgãos públicos desfrutarão do benefício, o que é criticado pelo presidente do Confap (Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa), Sérgio Gargioni: “Preferimos não distinguir entre a pesquisa feita por órgão público ou empresa privada. Não interessa quem faz a pesquisa, o importante é que ela saia”, diz.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.