O que fez Cunha aceitar pedido de impeachment de Dilma agora

Decisão põe fim a meses de barganha e abre o caminho para a deposição da presidente. Parlamentar, que está sob risco de perder o mandato, diz que atendeu a ‘pedido das ruas’

     

    O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), acolheu nesta quarta-feira, 2, o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff elaborado pelo jurista Hélio Bicudo, ex-membro do PT, por Miguel Reale Júnior, ex-ministro do governo FHC, e pela advogada Janaína Conceição Paschoal.

    A decisão acaba com meses de barganha entre o governo e o parlamentar, que luta para manter o seu próprio mandato enquanto dá início ao processo que pode acabar com a deposição da presidente da República. O movimento acontece depois de a própria oposição ter abandonado Cunha à própria sorte, acreditando num acordo entre ele e o governo para que todos se mantivessem no cargo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.