Metas do clima podem virar lei. Qual é o compromisso do Brasil

Para ambientalistas, esta é a última chance de se conseguir um acordo global realmente eficiente para evitar mudanças climáticas drásticas

A presidente Dilma Rousseff deu início nesta segunda-feira, 30, à participação brasileira na COP21, a conferência mundial sobre mudança do clima. Ao contrário das edições anteriores, como em Copenhague e Kyoto, desta vez, os países em desenvolvimento estão chamados a assumir uma cota maior de responsabilidade.

O acordo em Paris substituirá o selado no Japão, em 1997, por 192 países, que previa reduções de emissão de gases poluentes na ordem de 5% em média, mas não incluía países como China, maior poluidora atual, Índia e Brasil entre os países obrigados a atingir as metas, e acabou rejeitado pelos Estados Unidos.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.