‘Elas marchavam sob o sol’: mitos e ritos da formação feminina


O ‘Nexo’ publica trecho de livro que acompanha duas protagonistas ao longo dos meses que precedem a data de seus aniversários de 18 anos. Ana se rebela contra demandas de conformidade do mundo contemporâneo, enquanto Joan vive imersa em saberes ancestrais herdados de sua avó. Em registro poético e espiritualizado, a autora inspira reflexões sobre violência, perseguição religiosa e papéis sociais

Ana

O canal Molishop emitia seus chamadões em altíssimo volume. O objetivo era me persuadir a comprar a cinta trêmula de definir silhuetas insinuantes com apenas alguns minutos de uso diário. A ideia nem gerava coceiras no meu pensamento, não decidido a ter curvas extremas para preencher minha combinação adorada de todas as tardes: short gasto, camiseta e meias, geralmente uma de cada cor, com as quais eu pisava sobre dezenas de migalhas de Cheetos. Aquele toque salpicado de amarelo-vertigem ajudava a colorir o sofá da sala. O estofado, estampado com flores brancas de cetim, tinha sido a menina dos olhos da minha mãe, que, um ano depois, só pensava em trocá-lo por outro de chenille terracota. Mães geralmente ficam obcecadas por determinados objetos e, logo que os têm em seu poder, entram num movimento acelerado de desapego, colaborando de todas as maneiras para a sua rápida decomposição. Assim como pessoas fazem com outras pessoas. Nestas condições, o farelo de Cheetos era conveniente e eu, de certo modo, fazia a minha parte.

Um rímel, um blush, um kit de sombras 4D e um batom pela metade compunham a herança oferecida por minha mãe, você precisa ganhar um pouco de cor, ela declarou para a minha cara de papel. Eu não via sentido em colorir o rosto ou em limitar as minhas formas para que fossem finas e sinuosas; eu pretendia ser um corpo em aberto, do qual não dá para definir onde fica o começo e onde está o término. Conversei com Oswald, o observei pelo reflexo do espelho, meu irmão vivia sem qualquer artifício; não havia razão para eu me render a tantos enfeites e coberturas, disfarces, reduções de certas partes do meu corpo e aumento de outras. Descontínua e ilimitada, cheia de arestas e linhas vazadas, rejeitei todas essas intervenções.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.