‘Nacional-populismo’: como se formou a onda da extrema direita


O ‘Nexo’ publica trecho de livro que analisa o que está por trás da ascensão de líderes da direita conservadora em todo o mundo. Contrariando explicações simplistas, os autores defendem que esse fenômeno está há décadas em formação e pode ser mais duradouro do que seus opositores gostariam de imaginar

Existem muitos mitos sobre o nacional-populismo. Dos Estados Unidos à Europa, os movimentos nacional-populistas são vistos como refúgio para preconceituosos irracionais, perdedores desempregados, rejeitos do cinturão da ferrugem, eleitores atingidos duramente pela Grande Recessão e velhos brancos e raivosos que morrerão em breve e serão substituídos por tolerantes millennials. À sombra de Trump, do Brexit e da ascensão do nacional-populismo na Europa, incontáveis escritores traçaram uma linha reta entre uma alienada subclasse branca no interior americano, aposentados raivosos nas cidades costeiras inglesas em vias de desaparecimento e desempregados nas áreas devastadas da Europa. Especialmente no Brasil e em países com frágeis tradições democráticas, muitos comentadores viram a ascensão de políticos como Bolsonaro como sinal de que os apoiadores desejam uma liderança autoritária ou mesmo um governo militar.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Exclusivo para assinantes

Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
Assine o Nexo.