‘Maria dos Canos Serrados’: outra paisagem de Portugal


O ‘Nexo’ publica trecho do primeiro livro do escritor angolano Ricardo Adolfo lançado no Brasil. O romance, narrado por meio de cartas, retrata os arredores da região metropolitana de Lisboa sob a perspectiva de uma anti-heroína. Maria, a protagonista, fala sobre seu cotidiano em uma paisagem composta por traficantes, prostitutas, empresários suspeitos e outros personagens à margem da cidade.

VELHINHO,

Estamos fodidas. Estamos muito fodidas. Estamos fodidas como o caralho.Há uma série de coisas que são um problema:1. A tua pessoa; 2. A tua pessoa nunca estar cá;3. Não termos sexo porque a tua pessoa nunca está cá;4. Não termos orgasmos porque não temos sexo porque a tua pessoa nunca está cá;5. Andarmos totalmente putas da vida porque não temos orgasmos porque não temos sexo porque a tua pessoa nunca está cá;6. Não falarmos porque não temos as nossas conversas depois dos orgasmos que não temos porque não temos sexo porque a tua pessoa nunca está cá.

Por mais que tentemos, não conseguimos perceber porque é que continuas em Armação a fazer turistas por vinte e cinco euros, em vez de estares aqui a cumprir o teu dever com a cabeça entalada no meio das nossas pernas.

Vamos abrir outra garrafa e cheirar o que ainda aí houver, para clarear as ideias. Esperamos que não tenhas tomado tudo, como fazes sempre. E essa é a outra coisa que nos deixa ainda mais fodidas.

Nós às vezes também fumamos os restos do chocolate ou damos o último tirinho. Mas sentimo-nos mal. Sabemos que não o devíamos fazer. Tu não. Tu nem pensas nisso. Quando vês uma carreirinha de sobra, se for preciso até vais para a cozinha só para não teres de a dividir, como aconteceu no mês passado.

qué que tás a fazer?tava a cheirar o restinhovieste cheirar e não me chamaste?era o meu restoe não podias dividir?já tínhamos dividido, tu ficaste com quase tudo e sobrou meialinha pra mimmetade dessa meia dava na boa pra mimtu fizeste as outras três caviaisso foi antesera só um tirinho, nem deu pra nadadeu pra ti, podia ter dado pra mimmas tu já tinhas dado, damatu não me damesamanhã há mais, prometo, era só uma misériaé bom caja, pobrenão me chames pobrepretomulato, se fosse preto matava-me.

VELHITO,

Não sabemos o que é que estava perdido na caixa dos smarties. Não sabemos também como é que fomos do chão da sala para o chuveiro, do chuveiro para o autocarro e do autocarro para esta secretária de onde te tentamos escrever num monitor que não consegue parar quieto e focado.

Valha-nos que estamos com pouco que fazer, sem termos feito esforço algum para isso. Há muito que os fornecedores deixaram de entregar, a não ser que seja a pronto pagamento. O último a enviar uma remessa à confiança arrependeu-se. Passou a ter o número bloqueado por ordens da doutora, que é para aprender que escusa de enviar facturas. Só está a aumentar os seus próprios pagamentos de IVA. Aqui as facturas não são para se pagar nem para se ir pagando. São uma desculpa para manter a contabilidade entretida a fazer montinhos de papel. Ignorar, esquecer, esquecida. Nem as dezenas de caixas que ainda temos em stock conseguem fazer-se à vida. A última carrinha da distribuidora que estacionou no parque vinha cheia de advogados em vez de trolhas das cargas e descargas.

Milhares de cartões pré-pagos com milhões de minutos aguardam o dia em que alguém os compre, raspe e telefone à família a sul do equador a dizer que está tudo bem e que o barulho de fundo é de uns amigos a festejar, enquanto viram as costas aos companheiros da cela sobrelotada.

Horas, semanas, anos de tempo à espera que o prazo caduque. Ainda não percebemos como é que uma empresa que não compra, não produz e não vende consegue fazer aparecer no balanço os números que, pelo punho da dona chefe da contabilidade e da doutora, deveriam transformar-se nos cheques que não nos são entregues há alguns meses.

O olho da rua fixa-nos. Sabe que o nosso rabo será dele muito em breve. E como o único sector que está a expandir é o do gardanho, sentimo-nos cada vez mais próximas do roubo à mão armada. É a evolução natural. Caminhamos para uma vida mais honesta. Uma coisa prometemos, só vamos limpar gajos. Como fazem sempre muito mais do que nós todas juntas, está na altura de a diferença ser cobrada, para sermos iguais na nossa miséria.

 

QUERIDO VELHINHO,

Desculpa a interrupção. Fomos apanhadas pelo falso alarme de incêndio. Tivemos de sair a correr e, como já estávamos na rua, aproveitámos para continuar a andar até ao autocarro que nos trouxe à cama com que sonhámos durante os últimos quatrocentos e oitenta minutos de trabalho obrigatórios por contrato.

De volta à vaca fria – e não estamos a falar da tua mãe –, deve ter sido das castas do Pingo Doce, que ainda mexem e muito, e hoje de manhã estava tudo muito mais turvo, o que não deixa de ser outra forma de se chegar a uma conclusão. O que sobressai é o mais importante. Nós precisamos de pouco, mas não dares o corpo durante semanas a fio e privares-nos dos nossos orgasmos não está para discussão. Para nos foderes por completo decidiste que não podias deixar de trabalhar durante uma noite para vires festejar o nosso aniversário. Foi pior do que se tivesses ido vestido de palhaço ao funeral do teu pai. Vinte e nove é uma idade difícil. Está quase ali nos trinta, e depois dos trinta está tudo perdido. Precisávamos de ti debaixo de nós, não a enviar-nos mensagens a dizer que estavas muito ocupado a molestar outras cabras.

Ontem, depois de te termos telefonado a enxovalhar, enviaste-nos uma mensagem com uma foto tua e do teu amiguinho com dois gelados enormes a dizer que é isto que nós vamos perder. Que merda é esta? Achas que para nós não é difícil? Ou estavas só a tentar fazer-nos sentir pior ainda? Já para não dizer que é uma foto um bocado veada. Dois criminosos cicatrizados a posar de sorrisinho nas ventinhas ao lado de dois gelados? O detalhe do chantilly bastava para levares um enxerto de porrada na tua rua. Sim, vocês são criminosos, por mais que não gostes de o ouvir. Quem ganha a vida a fazer porquinhas a vinte e cinco euros é puta. E como ser puta é crime, és um criminoso. Escusas de vir cá com conversas de gigolô, que isso só manda bala nos filmes.

Não percebemos qual foi a ideia. Tu sabes que te adoramos e gelados, então, mais ainda. E sabes também o quanto nós detestamos esse filho de uma vaca louca. Tínhamos um acordo. Tu não mencionavas a peçonha e nós não ficávamos putas com o facto de tu viveres com um estafermo que gostava de ser muito mais do que teu meio-irm��o. Não acreditares nisto não faz com que deixe de ser verdade. E o nosso pacto baseado na dupla negação andava a servir-nos a todos muito bem, até ontem.Chega. Finito. Over. The end. Cão. Fica lá com os teus gelados e com o teu amiguinho. Ficam bem juntinhos. Veados.

 

MORZINHO VELHINHO,

Desculpa, tivemos de ir vomitar. Onde é que íamos? Ah, sim, éverdade, vai-te foder.

 

Ricardo Adolfo é escritor e roteirista. Nasceu em Luanda, em 1974, e cresceu em Portugal. Atualmente, vive em Tóquio. Publicou o livro de contos “Os chouriços são todos para assar”, os romances  "Depois de morrer aconteceram-me muitas coisas" e “Mizé - antes galdéria do que normal e remediada”, entre outros. É coautor do longa-metragem “São Jorge”, premiado no 73º Festival de Cinema de Veneza.

 

 

MARIA DOS CANOS SERRADOS

Ricardo Adolfo Editora Dublinense224 páginasLançamento em março de 2018

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: