Foto: Divulgação

A professora e estilista Mariana Rocha indica livros que tratam de questões sociais e ambientais relacionadas à indústria do vestuário

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A moda é sedutora, apaixonante. É uma experiência que possibilita a expressão cultural de grupos e de individualidades. Além disso, está entre os setores que mais geram emprego e renda no mundo. No entanto, é um sistema complexo e difícil de ser controlado. Sendo a segunda indústria que mais emite gases do efeito estufa, a moda também é responsável por inúmeras injustiças sociais na área trabalhista e está impregnada de racismo e preconceitos de diversos tipos. É algo muito angustiante para quem curte a área, pois o que nos interessa na moda é a criação, a beleza, a alegria e o preciosismo da técnica. Lutando contra esses seus aspectos nefastos, existem movimentos (Projeto Sankofa e Fashion Revolution são exemplos) que se mobilizam para transformar a moda numa força positiva. Aqui apresento alguns livros (existem muitos outros) que podem iluminar os caminhos de quem busca novas formas de pensar esse sistema mais antigo que a Revolução Industrial.

Escravidão contemporânea

Org. Leonardo Sakamoto (Contexto, 2020)

A escravidão é algo que persiste no mundo da moda. Nesse livro, composto por textos de especialistas em diversas áreas reunidos pelo jornalista Leonardo Sakamoto, há elementos que nos ajudam a entender como algumas indústrias se utilizam da escravidão como método, e como a Justiça ainda é precária no combate a esse crime hediondo. O livro também mostra de que maneira o esforço contínuo e a atuação simultânea da sociedade, da justiça e do governo podem resultar em avanços para combater esse mal.

Ideias para adiar o fim do mundo

Ailton Krenak (Companhia das Letras, 2019)

Sei que já é um livro manjado, mas ajuda a fazer a ficha cair: nós e a natureza somos uma coisa só, não existe a “natureza que fornece recurso”, não existe um “lugar onde possamos jogar o nosso lixo”. Ainda: enquanto o ser dito “civilizado” se preocupa com o “progresso”, está abandonando grande parte de seus irmãos, deixando-os à margem da sociedade. O projeto não está dando certo. É hora de repensar nossa própria existência.

Moda ética para um futuro sustentável

Elena Salcedo (GG, 2014)

A autora é uma referência na área e explica tudo muito direitinho, nesse livro focado no design de moda. Tendo como fio condutor o ciclo de vida do produto, suas ideias ampliam nossas possibilidades de ação dentro do mercado e aumentam o grau das nossas responsabilidades. Gosto principalmente da maneira como Salcedo apresenta o último capítulo, “Sustentabilidade como estratégia”, buscando incorporar a sustentabilidade como única forma possível de dar continuidade aos negócios da moda.

Moda e sustentabilidade: design para mudança

Kate Fletcher e Lynda Grose (Senac São Paulo, 2011)

As autoras apresentam de forma muito objetiva os principais pilares da transformação. Para além de uma possível metodologia inovadora, alargam a nossa visão sobre o assunto com capítulos que trazem da biomimética ao artesanato, dos cuidados com a roupa aos serviços de compartilhamento, passando pelo importante papel do educador-comunicador. O volume é ilustrado com imagens de diversos trabalhos interessantes, numa postura sempre voltada ao engajamento e ao ativismo. Bem bacana.

Refashioned: Cutting-Edge Clothing from Upcycled Materials

Sass Brown (Laurence King Publishing, 2013)

O livro é gringo, mas vale a pena. Se você acha que moda ecológica é entediante, ele vai explodir sua cabeça. “Refashioned” é focado no upcycling – prática que busca acrescentar valor a uma peça que foi descartada, ou a um material que, mesmo novo, está encostado. A meu ver, é uma opção interessante para os designers e marcas, pois desafia a criatividade e dá uma segunda chance a materiais que, de outra maneira, poderiam virar lixo. A edição é linda, cheia de imagens de trabalhos incríveis como o de Christine Mayer e sua Peace Collection, com casacos de lã reutilizada, ou a experiência de Kerry Howley, transformando cabelos em joias. E o que dizer das argolinhas de lata, levadas a um nível nunca antes visto, no trabalho de Dalaleo, ou do jeans couture de Jeffrey Wang? Um pouco de esperança e arte, neste tempo tenebroso.

Mariana Rocha é mestre em artes visuais, professora de moda contemporânea e de laboratório de superfícies na Faculdade Santa Marcelina, estilista e pesquisadora de sustentabilidade na moda.

*Caso você compre algum livro usando links dentro de conteúdos do Nexo, é provável que recebamos uma comissão. Isso ajuda a financiar nosso jornalismo. Por favor, considere também assinar o Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.