Foto: Rogerio Vieira/Divulgação Auditório Ibirapuera

Antonio Nóbrega, músico, bailarino e ator, indica 5 livros para entender a cultura popular brasileira

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Simpatizantes, alunos e pesquisadores do mundo popular brasileiro por vezes me demandam uma lista de livros sobre o assunto. Sempre fico devendo. Fico desencorajado em listar: ela é grande e hoje em dia até em sebo está difícil encontrar tais obras; e quando, por vezes, as encontramos, seus preços não são muito acessíveis. É uma pena nenhuma editora ter se interessado em republicá-las. Tenho para mim que não dormiriam nas estantes das livrarias. Enquanto a sonolência das editoras e do país não se extingue – e parece que a dormência vai ser prolongada – apresento cinco títulos que me têm sido muito úteis.

Danças dramáticas do Brasil

Mário de Andrade

A obra de pesquisa e estudo musical de Mário de Andrade, poderíamos sem nenhuma reserva, chamá-la de monumental. Mário foi um dos poucos escritores brasileiros – senão o único – que tinha formação musical suficiente para, ao escutar uma cantiga da boca popular, grafá-la ali na hora em que ouvia, com requintes de anotação. Mas ele não ficou por aí. Sua interpretação do nascimento das manifestações populares de natureza dramática é definitiva. Para quem quiser conhecê-la, está logo ali na abertura do primeiro volume das suas “Danças Dramáticas do Brasil”.

O reisado alagoano

Theo Brandão

Embora seja um livro de estudo, a cada vez que o releio sinto um redobrado prazer. Theo Brandão é uma espécie de Câmara Cascudo de Alagoas, um pouco mais essencial, talvez. Neste seu livro, publicado pela Editora Universitária de Alagoas, a UFAL, ele discorre sobre os ritos, os entremeios, as cantigas, as personagens, etc., por ele registrados de uma apresentação dessa que é uma das manifestações teatrais das mais representativas do teatro popular brasileiro.

Reis de Congo

Oswald Barroso

Oswald Barroso, além de dramaturgo e encenador, é um atual e apaixonado pesquisador do mundo popular brasileiro. Muito embora seus estudos estejam focados nas manifestações do seu estado de nascimento, o Ceará, a abrangência histórica e interpretativa deles transcendem os limites regionais dos assuntos tratados. É o caso do “Reis de Congo’, onde podemos entender de onde provêm reisados e bumbas do Brasil.

Cantadores

Leonardo Mota

Leonardo Mota, cearense, foi uma espécie de devoto da cantoria nordestina. Dedicou três livros – “Cantadores”, “Sertão Alegre’ e “Violeiros do Norte” – ao registro da lavra poética de inúmeros cantadores nordestinos. Com lápis e papel na mão e correndo as poeirentas e secas estradas dos sertões nordestinos, Lota, como era chamado, foi o mais importante memorialista dos nossos bardos e aedos populares.

Sambeabá - O Samba que não se aprende na escola

Nei Lopes

Sem pestanejar: para quem quiser saber sobre a presença negra no Brasil, indico o Nei Lopes, intelectual de primeiríssima ordem. Mas intelectual de natureza dionisíaca, basta dar uma breve olhada no seu portfólio biográfico-existencial e constatar que é sambista – compositor e letrista – inspirado. Em “Sambeabá”, um livrinho pequenino, enxuto e extremamente simpático, há um pouco de tudo sobre o samba, da história dos sambas-batuques de umbigada aos inumeráveis tipos de sambas oriundos da afirmação do gênero.

Antonio Nóbrega é músico, bailarino, ator e pesquisador da cultura popular brasileira. Integrou o Quinteto Armorial de Ariano Suassuna na década de 1970 e, de lá para cá, desenvolveu diversos espetáculos, entre eles: “Brincante, Segundas Histórias”, “O Marco do Meio Dia”, “Figural”, “Na Pancada do Ganzá, Madeira Que Cupim Não Rói”, “Pernambuco Falando para o Mundo”, “Lunário Perpétuo”, “Nove de Frevereiro”, “Naturalmente, Húmus e Semba”.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.