Ir direto ao conteúdo

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Silvana de Souza Nascimento, professora do departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo, indica 5 obras clássicas sobre os estudos de gênero

Sexo e temperamento

Margaret Mead

Quando ainda não se usava a categoria “gênero”, Margaret Mead, nos anos 1930, investigou, por meio de pesquisas na Nova Guiné, como três povos – Tchambuli, Arapesh e Mundugumor – articulavam comportamentos diferenciados a homens e mulheres. Surpreendentemente, ela descobriu aspectos “dóceis” e “maternos” em homens e “agressivos” em mulheres.

O Segundo sexo

Simone de Beauvoir

Desta obra nasceu a célebre frase “não se nasce mulher, torna-se mulher”. A filósofa francesa produziu uma reflexão sobre a imagem das mulheres ocidentais a partir da psicanálise, da história, da literatura e da filosofia e mostrou que elas nunca foram reconhecidas como sujeitos da sua própria história.

O Gênero da dádiva

Marilyn Strathern

Uma das mais importantes obras do pensamento antropológico contemporâneo, e dos estudos de gênero, que questiona, de um lado, a relação entre feminismo e antropologia e, de outro, a produção sobre relações de gênero e mulheres na Melanésia. A autora defende que “gênero” não é uma identidade, é uma relação.

Problemas de gênero – Feminismo e subversão da identidade

Judith Butler

Livro que sacode os essencialismos identitários por meio de uma análise filosófica, no diálogo com a psicanálise, sobre a tensa relação entre sexo, gênero e desejo. A autora expõe a ideia de performatividade de gênero, muito utilizada nas pesquisas sobre gênero e sexualidade há vinte anos.

Couro Imperial – Raça, gênero e sexualidade no embate colonial

Anne McClintock

Uma crítica ferrenha ao imperialismo ocidental a partir de reflexões sensíveis e ácidas que cruzam gênero, raça e classe como elementos essenciais para compreender a modernidade e os processos de urbanização. Narra histórias, nas metrópoles e nas colônias, que evidenciam a reinvenção da raça, o culto da domesticidade e o patriarcado.

 

Silvana de Souza Nascimento é professora do Departamento de Antropologia da USP e pesquisadora do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana (NAU-USP). É editora-executiva da Revista Ponto.Urbe e vice-chefe do Departamento de Antropologia. Atuou, de 2007 a 2012 como docente do departamento de Ciências Sociais (área de Antropologia) na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), campus Litoral Norte. Atualmente, é pesquisadora colaboradora do Grupo de Pesquisa em Etnografias Urbanas (Guetu), da UFPB, do qual foi fundadora e membro do Núcleo de Direitos Humanos e da Cidadania da UFPB.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!