‘O Judiciário deve avançar nos processos civilizatórios’

Superior Tribunal de Justiça autorizou pacientes a cultivarem maconha para fins medicinais. O ‘Nexo’ conversou com o ministro Rogerio Schietti Cruz, relator de um desses casos, sobre o papel judicial nas transformações sociais

    “Paremos com preconceito, com esse moralismo que atrasa o desenvolvimento do tema no âmbito do Poder Legislativo e muitas vezes obnubila o pensamento de juízes brasileiros.” Foi o que disse o ministro Rogerio Schietti Cruz, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ao votar na terça-feira (14) pela liberação do plantio de maconha para fins medicinais, em dois casos particulares.

    Ele é o relator de um dos casos e foi seguido unanimemente pelos outros quatro ministros da sexta turma da corte, que autorizou três pessoas em tratamento de saúde a cultivarem maconha e assim terem acesso ao canabidiol, conforme prescrição médica.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.