Como avança a nova Constituição do Chile, segundo esta deputada

Amaya Alvez, membro da Assembleia Constitucional do Chile, fala ao ‘Nexo’ sobre a reforma da lei máxima do país, e dos riscos que o processo enfrenta

    Os 154 membros da Assembleia Constitucional do Chile têm até 4 de julho para entregar uma nova Constituição para o país. O prazo curto – de nove meses, prorrogados por mais três – tem feito o grupo trabalhar madrugadas adentro para fazer a reforma completa a tempo.

    O Nexo conversou nesta quinta-feira (9) com Amaya Alvez, que faz parte da Comissão de Harmonização da Assembleia Constitucional, responsável por dar forma final ao texto. Ela havia encerrado os trabalhos às 6h da manhã e, no momento da entrevista telefônica, se deslocava ao aeroporto, às 8h, para tomar um voo, em viagem de trabalho. O ritmo frenético e o tempo curto ilustram as condições desfavoráveis.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.