‘A diferença do Chile é que a velha esquerda foi substituída’

Cientista política fala ao ‘Nexo’ como a vitória de Gabriel Boric inspira e desafia outros países da América Latina

    A eleição de Gabriel Boric como novo presidente do Chile envia um sinal de ânimo para as esquerdas latino-americanas, mas também uma advertência de que esse setor político precisa se renovar, de acordo com a cientista política brasileira Talita São Thiago Tanscheit.

    Em entrevista concedida por escrito ao Nexo na terça-feira (21), a pesquisadora no Opsa (Observatório Político Sul-Americano) do Iesp-Uerj (Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro), analisou os reflexos da vitória de Boric para as esquerdas regionais e os reflexos da derrota do candidato de extrema direita, José Antonio Kast, para este setor conservador e radical, que, no Brasil, é representado pelo atual presidente, Jair Bolsonaro, que deve buscar novo mandato em outubro de 2022.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.