‘Desdenhar evangélicos é desconhecer o Brasil popular’

Antropólogo Juliano Spyer fala ao ‘Nexo’ sobre a pesquisa de campo que deu origem ao seu livro ‘Povo de Deus’ e a distância entre grupos da esquerda e a população que segue o pentecostalismo

    Lançado em 2020, o livro “Povo de Deus: Quem São os Evangélicos e Por Que Eles Importam” (Geração Editorial), do antropólogo Juliano Spyer, com prefácio de Caetano Veloso, é visto por parte da esquerda como uma espécie “manual” para buscar uma reaproximação com a população evangélica, que aderiu em peso a Jair Bolsonaro e à extrema direita nas eleições presidenciais de 2018.

    Spyer rejeita a definição. “Manual instrumentaliza. Meu livro populariza alguns estudos sobre antropologia e sociologia da religião que tratam da importância local da igreja evangélica nos bairros pobres. Ainda estou um pouco surpreso com a atenção que o livro vem ganhando, e acredito que esse interesse tem a ver mais com o fosso social”, disse Spyer nesta entrevista ao Nexo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.