‘Regular serviços de streaming é mais do que urgente’

Cineasta e produtora Marina Rodrigues fala ao 'Nexo' por que acha que as plataformas de vídeo sob demanda devem ser reguladas

    Criar uma regulação para os serviços de streaming é uma pauta improrrogável para o cinema nacional. Essa é a análise de Marina Rodrigues, cineasta que atua na área da produção executiva do audiovisual brasileiro e que trabalhou em filmes como “O fio da meada” (2019) e “Dedo na ferida” (2017), ambos do carioca Silvio Tendler. Ela também escreve sobre o mercado em veículos especializados, como o site Cinemação e a página Simplificando Cinema.

    A fala de Rodrigues se dá em um momento em que as ofertas de streaming no Brasil foram expandidas e que outros países discutem a regulação. Na terça-feira (29), a plataforma HBO Max, da Warner Media, chegou ao Brasil. Na quinta (1º), normas regulamentando o streaming passaram a valer na França.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.