‘O luto por Kathlen representa um conjunto de despedidas’

Ao ‘Nexo’, a psicóloga Clélia Prestes fala sobre o impacto para a população negra da recorrência de casos como o da jovem grávida morta durante uma operação policial no Rio

    A recorrência de mortes como a de Kathlen Romeu deixa a população negra brasileira num estado de luto coletivo e permanente, na visão da psicóloga Clélia Prestes, que atua na Amma Psique, ONG que trata dos efeitos psicossociais do racismo. “A cada novo episódio de extermínio em operações policiais, passa-se a mensagem de que as vidas negras não têm valor”, disse a doutora em psicologia social pela USP (Universidade de São Paulo) em entrevista ao Nexo.

    Aos 24 anos e grávida, a designer de interiores Kathlen de Oliveira Romeu foi morta após ser atingida por um tiro durante uma operação da Polícia Militar na terça-feira (8) na comunidade de Lins, no Rio de Janeiro. O assassinato da jovem causou comoção nas redes sociais, onde as pessoas compartilharam fotos de Kathlen e relatos de sua história.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.