O documentário que retrata a cidade mais conservadora dos EUA

Diretora Fernanda Pessoa fala ao ‘Nexo’ sobre ‘Zona árida’, filmado quando Trump foi eleito e lançado quando o presidente americano tenta a reeleição

    Quando a documentarista brasileira Fernanda Pessoa esteve na cidade de Mesa, no deserto do Arizona, pela última vez, em setembro de 2016, ela saiu com a certeza de que Donald Trump seria eleito presidente dos EUA. A previsão soava estranha na época — pois contrariava todas as pesquisas e prognósticos disponíveis até então —, mas se mostrou acertada dois meses depois.

    A certeza de Pessoa vinha do fato de ela conhecer o perfil do eleitor do meio-oeste americano, que se mostrou decisivo naquela disputa. Ainda adolescente, a brasileira tinha feito intercâmbio em Mesa, e retornava ao local 15 anos depois para gravar um documentário chamado “Zona árida”, no qual conta sua experiência na “cidade mais conservadora dos EUA”, de acordo com um estudo conjunto do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, em português) e da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles, em português) publicado em 2014.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.