Como a covid-19 fomenta a maior corrida por vacina da história 

Autor de livro sobre a história de remédios e tratamentos, microbiologista americano falou ao 'Nexo' sobre a busca por uma cura para o novo coronavírus e a importância dos testes clínicos

    Diariamente são divulgadas novas pesquisas e hipóteses sobre tratamentos e vacinas contra a covid-19. É um noticiário que lança pequenas doses de esperança, especialmente com a ideia de que há gente trabalhando arduamente contra a ameaça do novo coronavírus.

    O esforço coletivo envolve grandes multinacionais farmacêuticas, empresas de biotecnologia, startups, institutos de pesquisa e universidades, em diversos países. Entre as mais avançadas está a pesquisa da americana Moderna, empresa fundada em 2010, que teve a fase dois (de três) de testagem aprovada pelo FDA americano (equivalente no Brasil à Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Enquanto isso, a gigante alemã Pfizer, em parceria com uma companhia menor, BioNTech, promete “milhões de doses” de vacina para o fim do ano.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.