Equador, Peru e o estado da democracia na América do Sul

Renata Peixoto, pesquisadora e escritora especialista em países andinos, fala ao ‘Nexo’ sobre os recentes distúrbios nos países da região

     

    Num intervalo de três dias, o presidente do Peru, Martín Vizcarra, dissolveu o Congresso e o presidente do Equador, Lenín Moreno, decretou estado de exceção e pôs o Exército nas ruas contra manifestantes que pediam sua saída do poder.

    Para a pesquisadora Renata Peixoto de Oliveira, doutora em ciência política pela Universidade Federal de Minas Gerais, os dois eventos “evidenciam uma crise já estabelecida não apenas aqui [na América do Sul], mas nos EUA e na Europa também”, uma crise “das instituições, das elites e dos partidos tradicionais, da democracia e seu componente liberal”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.