Por que o Brasil pende para o autoritarismo de tempos em tempos

Em novo livro, cientista político Leonardo Avritzer identifica mecanismos internos que possibilitam contestação do sistema político

 

Desde o início do pós-guerra, em 1945, o Brasil mantém uma relação dúbia com a democracia. Há momentos em que ela se expande. E há períodos em que se retrai. A tese é  do professor de ciência política Leonardo Avritzer, da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). 

Em seu recém-lançado “O Pêndulo da Democracia” (Todavia), ele identifica uma característica própria brasileira, cujo sistema traz elementos que abrem espaço para o autoritarismo. Alguns exemplos, segundo o autor:

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.