As ações, omissões e lições do genocídio de Ruanda em 1994

Pesquisador Gustavo Carlos Macedo fala ao ‘Nexo’ sobre o papel das Nações Unidas na matança ocorrida no país africano

 

A cada aniversário do genocídio de Ruanda, líderes mundiais, acadêmicos e imprensa de diversos países tentam explicar como foi possível que entre 800 mil e 1 milhão de pessoas fossem assassinadas numa das maiores matanças desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

No dia 5 de abril, dois dias antes de o genocídio completar 25 anos, o governo da França anunciou a criação de uma comissão para investigar seu próprio papel nesse evento. Os nove integrantes terão acesso total a documentos secretos.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.