Por que a grilagem de terras é um grande negócio das milícias no RJ

Para pesquisador, policiais e ex-policiais milicianos se aproveitam do controle violento de territórios para viabilizar negócios imobiliários ilegais, suas atividades mais rentáveis

 

No dia 22 de janeiro de 2019, o Ministério Público realizou em parceria com a Polícia Civil do Rio de Janeiro uma operação em comunidades na zona oeste do Rio para prender suspeitos de chefiar milícias que atuam na região. São grupos criminosos que contam com a participação de policiais e ex-policiais e extorquem comunidades pobres no estado.

As buscas ocorreram em regiões como Muzema e Rio das Pedras, considerada o berço das milícias nos moldes atuais no Rio de Janeiro. A suspeita é de que as principais atividades ilegais do grupo se relacionam com o setor imobiliário —grilagem de terras, construção, venda e locação ilegais de imóveis.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.