O ‘burocratês’ nos textos da administração pública

Jornalista Heloisa Fisher traça, em livro, percurso de iniciativas pró-clareza na linguagem e fala ao 'Nexo' sobre como redações complexas ainda causam dificuldades aos brasileiros

 

Um projeto de lei apresentado em 2006 pela deputada federal Maria do Rosário (PT) propunha simplificar a linguagem jurídica no Brasil. A ideia era obrigar juízes a escrever sentenças em linguagem coloquial, sem o uso de termos técnicos, para que o conteúdo das decisões ficasse compreensível a qualquer pessoa.

A discussão no Congresso durou quatro anos. O projeto chegou a ter sua redação final aprovada, mas acabou arquivado em 2010. O motivo dado para barrá-lo foi a “prejudicialidade da matéria”. O burocratês vencia a disputa.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.