Chico Alencar: fora do Congresso depois de 4 mandatos

Nesta série de entrevistas, o ‘Nexo’ traz avaliações de parlamentares que entraram para a política na época da ditadura, ascenderam no período de redemocratização e perderam a eleição de 2018

     

    As eleições de 2018 registraram uma nova onda no país: a ascensão de um discurso antissistema, concretizada pela chegada de Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto e pelo crescimento de um pequeno partido, o PSL, que passou de um deputado eleito em 2014 para 52 em 2018. O Partido Social Liberal, ao qual Bolsonaro se filiou meses antes da campanha, terá a segunda maior bancada da Câmara.

    O crescimento desse novo grupo, com ideias conservadoras de extrema direita, ocorre simultaneamente a uma redução de poder de partidos de centro e centro-direita, em especial PSDB e MDB, associado a um forte sentimento antipetista. O Partido dos Trabalhadores, alinhado à esquerda, garantiu a maior bancada da Câmara, com 56 cadeiras, mas acabou derrotado nas eleições presidenciais, dando fim a uma sequência de quatro vitórias consecutivas na disputa pela Presidência.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.