‘PT terá de ceder se quiser baixar a rejeição’

Carlos Melo, do Insper, fala ao ‘Nexo’ sobre as resistências ao partido e sobre o desafio de Haddad na hora de capturar votos do centro

 

Na véspera das eleições de domingo (8), Fernando Haddad era rejeitado por 41% dos eleitores, de acordo com o Datafolha. Seu adversário no segundo turno, Jair Bolsonaro, tinha uma rejeição ainda maior, de 44%. A diferença é que o candidato do PSL obteve 46% dos votos válidos. O petista teve 29% e precisa, portanto, ganhar muito terreno a fim de vencer a sucessão presidencial, cuja votação decisiva está marcada para 28 de outubro.

Para o cientista político do Insper (Instituto de Pesquisa e Ensino Superior) Carlos Melo, Haddad terá de enfrentar uma série de obstáculos que envolvem debates éticos, morais e econômicos. Tudo para que possa se aproximar de um eleitorado alinhado mais ao centro e à direita no espectro político-ideológico. Para Melo, porém, a dificuldade do partido em fazer uma autocrítica pode ser um entrave.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.