Como ler junho de 2013 com os olhos de 2018, segundo este pesquisador

Professor da UERJ aponta a emergência de novos sujeitos políticos após as manifestações, que, para ele, marcam ‘um antes e um depois’ na trajetória dos protestos no país

     

    Em 2 de junho de 2013, um domingo, entrou em vigor a tarifa de R$ 3,20 do ônibus e do metrô, reajustada em R$ 0,20 pela Prefeitura de São Paulo e pelo governo estadual. No dia seguinte começaram protestos contra o aumento que, em pouco tempo, tomaram proporções inesperadas.

    Hoje, cinco anos depois, esses atos ainda provocam análises entre pesquisadores, que buscam entender as motivações e os desdobramentos daqueles protestos. Entre a classe política, eles tornaram-se uma fonte recorrente de preocupação, pelo temor de que algo semelhante volte a ocorrer – a exemplo do receio do governo Temer diante da paralisação dos caminhoneiros, no fim de maio.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.