Como a justiça restaurativa repara danos sem se basear em punição

Em entrevista ao ‘Nexo’, Susan Sharpe, professora da universidade de Notre Dame, nos EUA, fala sobre benefícios e estratégias da mediação de conflitos

 

A política de encarceramento em massa de países como o Brasil e os EUA é criticada por ativistas e acadêmicos que se opõem à privação de liberdade como saída para a criminalidade.

O Brasil tem, atualmente, a 3ª maior população carcerária do mundo, ultrapassando 720 mil presos, segundo dados do Ministério da Justiça divulgados em dezembro de 2017.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.