Como se dá a influência da China sobre os países em desenvolvimento

Cientista política da Universidade de Oslo, na Noruega, Benedicte Bull fala ao ‘Nexo’ sobre as estratégias de expansão internacional da segunda maior economia do mundo

     

    Depois de fazer sua economia crescer a taxas próximas de 10% ao ano ao longo da primeira década do século 21, a China vem mudando de estratégia. Desde 2010, os índices de expansão do PIB caíram de 10,6% para 6,7% — índice registrado em 2016. Se antes o país focava em produção industrial a preços mais baixos para exportação, agora passa a desenvolver o mercado interno, com salários mais altos para seus trabalhadores.

    Ao mesmo tempo, a China também se coloca como um ator cada vez mais poderoso no cenário internacional, a ponto de fazer os americanos temerem a perda da hegemonia global que detêm desde o fim da Guerra Fria, no início da década de 1990.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.