‘Bombas brasileiras estão matando civis no Iêmen’, diz pesquisadora

Kristine Beckerle, da ONG Human Rights Watch, refuta argumentos usados pelo Brasil para fabricar e exportar munições cluster, proibidas por 119 países

     

    As munições cluster fabricadas no Brasil pela Avibrás Indústria Aeroespacial SA são proibidas por 119 dos 193 países do mundo. Apesar da proibição, bombas como essas mataram 21 civis em 17 ataques conduzidos por uma coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen nos últimos cinco anos, segundo Kristine Beckerle, advogada e pesquisadora da ONG internacional de direitos humanos Human Rights Watch para Iêmen e Kuait, países do Oriente Médio.

    “Nossos especialistas em armas identificaram resíduos dos foguetes terra-terra Astros 2. O Bahrein e a Arábia Saudita haviam comprado foguetes de munições cluster do sistema Astros produzidas pelo Brasil, que foram manufaturadas pela Avibrás Indústria Aeroespacial SA”, diz a pesquisadora.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.