O gênio está solto, e não será fácil controlá-lo, diz pesquisador de impeachments na América Latina

Para professor Aníbal Pérez-Liñán, uso do instrumento para punir governo fraco pode transformá-lo em ‘arma’ de qualquer maioria circunstancial. ‘Suspeito que o Brasil verá novas eleições em breve’, afirma

     

    Aníbal Pérez-Liñán, argentino radicado nos Estados Unidos, professor de ciência política da Universidade de Pittsburgh, é especialista em impeachments ocorridos na América Latina. Observador da crise brasileira, diz que o Congresso deve ser “prudente” ao lidar com o mecanismo, sob risco de criar ciclos de instabilidade política.

    Em entrevista ao Nexo, ele recorre a uma analogia com o conto de Aladim e o gênio da lâmpada para ilustrar o potencial desestabilizador do instituto. “O PMDB libertou o gênio do impeachment da lâmpada constitucional, e o gênio não será fácil de controlar”, diz.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.