Ir direto ao conteúdo
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O governo Bolsonaro: um projeto vitorioso?


Este ensaio é o sexto de uma série sobre o primeiro ano de Jair Bolsonaro na Presidência – e é parte de uma parceria entre o ‘Nexo’ e a Associação Brasileira de Ciência Política. O texto busca analisar as forças que compõem o atual governo

Interpretar o governo Bolsonaro como um fracasso é um equívoco perigoso. Ao mesmo tempo, anunciá-lo como a vitória definitiva de um projeto autoritário-fascista é igualmente equivocado.

O projeto do governo é inserir o Brasil no neoliberalismo profundo, riscando do mapa a presença do Estado na economia e nas políticas públicas sociais.

Bolsonaro tem importância relativa nesse projeto. É uma figura caricata, violenta, inculta, mas que interpela com êxito largas parcelas da população. A Presidência caiu no seu colo como um prêmio de loteria. É transparente que ele não tem ideia do que é ser presidente da república, mas isso tem pouca importância para o projeto. Certamente é foco de chacota em encontros internacionais, mas há cinismo nisso. Ao mesmo tempo que deve ser desconfortável para o sofisticado Macron, a cientista Merkel ou o milionário Trump conviver com Bolsonaro, eles sabem que o ex-tenente é um peão importante no xadrez do imperialismo capitalista do século 21.

O governo se organiza com muita esperteza para cumprir esse papel. Enganam-se os que imaginam que estamos frente a dois governos paralelos, um competentemente neoliberal e técnico, outro culturalmente obscuro e ideológico. Essa divisão é falsa e serve a muitos interesses.

A equipe econômica aparece como respeitável para todos os setores conservadores do país: os empresários de diferentes plumagens e a grande mídia, mesmo as que Bolsonaro “detesta”, como a Globo e a Folha. Na última, colunas de opinião dão chances a críticas, já na Globo, mesmo em sua versão mais sofisticada, a Globonews, as reformas propostas pelo governo são anunciadas por todos os seus jornalistas como necessárias e bem-vindas. Nisso a mídia é uma aliada importante do Poder Legislativo, liderado pelo hábil Rodrigo Maia na Câmara dos Deputados, que articula a aprovação de reformas ultraconservadoras. O governo teve uma importante vitória com a aprovação da reforma da Previdência e certamente outras virão.

Mas o projeto desestruturante necessita de uma sociedade desorganizada e passiva, uma sociedade não demandante. Essa talvez seja a questão mais séria que o neoliberalismo em geral enfrenta no século 21, pois há sociedades mobilizadas que se espalham por diferentes partes do mundo, com organizações diversas e demandas variadas. Seria uma imprudência analítica encontrar uma causa comum para todas as manifestações que ocorrem desde 2011, mas seria igualmente temeroso atribuí-las à mera coincidência.

A questão mais séria em tudo isso é por que, após um ano de governo, não está sendo produzida uma reação popular capaz de ameaçar esse projeto autoritário, obscurantista, no limite do fascismo?

O problema é que não se elimina a consciência crítica da sociedade em um passe de mágica. No Brasil, o governo Bolsonaro faz dois ataques estratégicos e simultâneos nesse sentido: o primeiro reduz ao mínimo, quando não zera, recursos orçamentários para as áreas da cultura e da educação: faz ameaça contra o cinema, o teatro, as artes visuais, a música, a educação em todos os níveis e a ciência. O segundo ataque se dirige aos setores que necessitam ser convencidos de que cultura, ciências, luta por direitos, por liberdade e igualdade são farsas. Qualifica todas as áreas da cultura e da educação como produtoras do marxismo cultural, da ideologia de gênero e de riscos à família e à religião e assim dá sentido à farsa, central para fragilizar as classes populares e minimizar suas possíveis demandas. Nesse esforço, as igrejas evangélicas são aliadas fundamentais.

Não se pode satanizar as igrejas evangélicas e afirmar que elas só existem para apoiar governos como o de Bolsonaro. O crescimento exponencial das denominações pentecostais é um fenômeno complexo e não pode ser atribuído a cenários momentosos. Mas o que se deve pontuar aqui é que essas igrejas formam lideranças e congregações predispostas a se colocarem em antagonismo às liberdades individuais, às ciências, à cultura, à luta por direitos.

As congregações são celeiros para teorias terraplanistas, antiecológicas, antivacinação, antiborto, a favor da família tradicional, da violência policial, do armamento e do encarceramento. Criam espaços privilegiados para ministros que afirmam ter visões de entidades religiosas, ou como o da educação, que trata de convencer a população de que nas universidades há grandes plantações de maconha e que seus laboratórios de química produzem anfetaminas. Nesse cenário, dirigir carros de aplicativos acaba parecendo muito mais digno do que perder tempo em antros amorais como as universidades. Em um país com índices muito baixos de leitura, a fala do presidente, ao dizer que os livros didáticos têm texto demais, cai como uma luva.

O êxito do governo na desmobilização e/ou paralisia política da sociedade pode ser medido, paradoxalmente, por dois eventos muito festejados pelas forças de oposição: as revelações do Intercept Brasil, que mostraram as formas não republicanas como foram montadas as provas contra Lula pelo então juiz Moro na operação Lava Jato, e a soltura do próprio Lula, por consequência da decisão do STF contra a prisão de condenados em segunda instância. Moro continua sendo o ministro mais popular do governo, mais popular que o próprio Bolsonaro. E Lula, solto, fez pouca diferença.

A questão mais séria em tudo isso, que necessita ser pensada para além de justificativas ao sucesso de Bolsonaro como consequência das fake news, é por que, após um ano de governo — que precarizou a vida das camadas mais pobres da população; reduziu verbas para a saúde; atacou a educação e, principalmente seu setor de maior êxito, as universidades federais; matou pobres, principalmente crianças e jovens negros nas comunidades; desqualificou a cultura; perseguiu movimentos sociais — não está sendo produzida uma reação popular capaz de ameaçar esse projeto autoritário, obscurantista, no limite do fascismo?

O sucesso do governo não pode ser medido pela melhoria das condições de vida do brasileiro em qualquer aspecto, seja a saúde, a educação, o emprego. Não foi a isso que veio, mas, sim, na confortável apatia da população frente a quem está a destruir com precisão cirúrgica conquistas fundamentais para os brasileiros, algumas inclusive garantidas na Constituição de 1988.

2020 é um ano eleitoral, portanto um ano muito imprevisível. É esperar para ver.

Céli Regina Jardim Pinto é cientista política e professora emérita da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Os artigos publicados no nexo ensaio são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do Nexo. O Nexo Ensaio é um espaço que tem como objetivo garantir a pluralidade do debate sobre temas relevantes para a agenda pública nacional e internacional. Para participar, entre em contato por meio de ensaio@nexojornal.com.br informando seu nome, telefone e email.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!