Ir direto ao conteúdo
Foto: Mike Hutchings/Reuters

Por que o Brasil também é Moçambique, ontem e hoje


A fraca comoção com a tragédia provocada pelos dois ciclones que atingiram o país no início de 2019 evidencia o desprezo brasileiro pela África, ignorando os laços que nos unem historicamente.

São profundos os laços que nos ligam a Moçambique. No correr dos séculos, o intercâmbio com o território banhado pelo Índico contribuiu para nos tornar mais diversos, complexos e prósperos. Mas temos nos comovido pouco frente à situação do país, atingido desde março por dois poderosos ciclones, Idai e Kenneth. Numa proporção, aliás, que se poderia dizer inversa à da importância das relações que vimos mantendo ao longo do tempo. Mia Couto, escritor nascido na Beira, a segunda maior cidade do país e a mais afetada por um dos piores cataclismos já vistos no hemisfério sul, referiu-se assim ao acanhado apoio do governo federal: “Não corresponde à relação histórica e afetiva entre os dois países e ao desejo dos brasileiros de contribuir”.

Nem sempre o Brasil dominante ignorou a África. O tráfico escravista que perdurou do século 16 até meados do 19 constituiu a base da economia colonial e imperial. Os cerca de 5,5 milhões de seres humanos trazidos de lá como escravos culminaram em uma população brasileira que hoje é, em sua maioria, afrodescendente. Para além da genética, a enorme presença de africanos transformou a história deste lado do oceano. Moldou nossa cultura.

A influência das populações do vasto grupo etnolinguístico bantu que ocupam também Moçambique marcou, na fonética e na morfologia, o jeito que falamos português, demonstra o diplomata e linguista Renato Mendonça. O polímata Nei Lopes, em seu clássico dicionário de línguas bantu, revela o aporte lexical, em palavras tão cotidianas nossas como “caramba”, “chilique”, “coco”, “lengalenga”, “maluco”, “nanar”, “pinguela” e “zoeira”. Provêm de idiomas da Contracosta, designação colonial ao sudeste africano, entre os quais o changana, o macua, o nhúngue, o ronga e o suaíli, ainda vivos no pluriétnico e multilinguístico Moçambique.

Embora os grupos bantu com maior presença aqui viessem dos atuais Angola e Congo, a remessa de mão de obra cativa da Contracosta registrou um pico na primeira metade do século 19, quando o Brasil se tornava independente e ampliava-se no Atlântico a pressão inglesa pelo fim do tráfico, constata o historiador Manolo Florentino. Seus traços permanecem.

A historiadora Juliana Magalhães identificou manifestações culturais originadas com os “moçambiques” no Vale do Paraíba de hoje. “Moçambique”, a propósito, é designação corrente para danças devocionais praticadas em larga escala nas festas do divino e de reis no centro-sul do Brasil. Na culinária, nosso uso abundante de leite de coco, condimento de pratos como moqueca, canjica e ensopados, deita raízes nas paragens de Sofala, centro moçambicano.

Dada a recente seletividade, é bom que se saiba que sempre estaremos mais ligados às areias do Índico que às pedras da Notre Dame.

Na mão oposta, a América portuguesa forneceu a batata-doce, popular em Quelimane. O etnógrafo Luís da Câmara Cascudo lembra que daqui partiram o caju e o milho, dois dos principais cultivos no país africano hoje. Outra de nossas “remessas” foi o inconfidente e poeta Tomás António Gonzaga, degredado em 1792 na pujante Ilha de Moçambique, onde construiu vida próspera. No período escravista, documentos dão conta de que “mulatos da Bahia” ensinaram gente de Sofala a fazer cachaça: “[O] primeiro exemplo registrado de transferência de know-how entre Brasil e Moçambique”, graceja o antropólogo José Luís Cabaço. Por sinal, “cachaça”, termo cuja etimologia é disputada, pode ter origem em línguas bantu da costa índica.

Mais recentemente, a itinerância foi das ideias. Já no século 20, o sociólogo Gilberto Freyre prestou-se ao ímpeto de conservação do domínio português na África por meio do conceito de lusotropicalismo, segundo o qual a invasão lusitana de terras alheias resultava em harmonia racial entre brancos e negros ou indígenas. O autor chegou a viajar à então província de Moçambique em 1952, a convite do ditador António de Oliveira Salazar, a fim de “testemunhar” sua equivocada tese.

Ao mesmo tempo, escritores modernistas brasileiros como Rachel de Queiroz, Carlos Drummond de Andrade e Graciliano Ramos inspiravam poetas, entre eles Noémia de Sousa e José Craveirinha, ligados à contestação anticolonialista do pós-guerra. Em poema de 1949, Sousa dá a pista de como o Brasil nutria a emergente literatura nacionalista de Moçambique: “Aqui, nesta povoação africana/ o povo é o mesmo também/ é irmão do povo marinheiro da Baía,/ companheiro de Jorge Amado,/ amigo do povo, da justiça e da liberdade!”.

Mas não eram só os intelectuais a criar pontes. Uma edição de 1962 do jornal popular Voz Africana, da Beira, trazia reportagem sobre a escritora Carolina Maria de Jesus, um fenômeno pelo livro “Quarto de despejo”. Cheia de fotos, a matéria relatava a vida da mulher negra que, de moradora de favela paulistana, galgou à elite artística. Voltado à maioria negra apartada da economia formal e da política, o jornal estampava personalidades afrodescendentes da diáspora, à guisa de trajetórias exemplares. O futebol, onipresente: Pelé no auge. Um jogador de time local ganhou o apelido de Garrincha.

Entre nós, radicava-se o diretor moçambicano Ruy Guerra. É dele uma das obras-primas do Cinema Novo, “Os fuzis”, de 1964. O intercâmbio no audiovisual fez acorrer para lá os brasileiros Licínio Azevedo, Chico Carneiro e José Celso Martinez Corrêa, que, exilado, filmou parte do processo independentista do país africano. O longa “25”, codirigido por Celso Luccas, foi exibido em 1977 em Cannes e na primeira Mostra de São Paulo. As trocas prosseguem: Isabel Noronha, prestigiada cineasta moçambicana, acaba de concluir o doutorado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Pós-independência

Em 1975, após uma década de guerra contra o Estado Novo, Moçambique proclamou independência para virar país de governo marxista-leninista e o Brasil, em plena ditadura militar, tornou-se um dos primeiros a reconhecê-la. A aproximação atendia à estratégia de trazer as nascentes nações africanas para a órbita de influência do sul-americano. Apesar disso, o presidente Samora Machel manteve críticas ao regime brasileiro, além de empregar opositores relacionados a lideranças como Miguel Arraes e Luís Carlos Prestes.

Uma guerra de contornos complexos assolou a jovem pátria por 15 anos, até a assinatura de um acordo de paz. Na década passada, a economia já sinalizava forte ascensão. Outra vez, o Brasil dominante voltava-se para lá. Empresas tais quais Odebrecht, Camargo Corrêa, Embraer e Rede Record fecharam grandes negócios no país, sob bênçãos das autoridades moçambicanas e brasileiras. A jornalista Amanda Rossi, no livro “Moçambique, o Brasil é aqui”, mostra que o resultado nem sempre beneficiou a todos. A mina de carvão concedida à Vale em Tete deslocou 1.365 famílias, parte levada para um terreno ruim ao plantio. Em 2011, na abertura de um templo em Maputo da Igreja Universal, duas pessoas morreram asfixiadas na lotação do culto de Edir Macedo, cuja emissora detém a TV Miramar, líder de audiência. A autora frisa que, de “povo irmão”, virávamos o “primo rico”.

Por outro lado, passamos a importar mais e mais os frutos da potente literatura moçambicana, também graças aos efeitos de leis que estipulam o ensino de história e culturas africanas. Assim, temos sido brindados com a edição de autores como Paulina Chiziane, Luís Bernardo Honwana, Ungulani Ba Ka Khosa, Sónia Sultuane, Suleiman Cassamo e os jovens Dany Wambire e Alex Dau.

No mesmo período, universidades do Brasil ampliaram seus vínculos com instituições de ensino do país. Entre os tantos resultados dessas trocas no âmbito da pesquisa, há o Acervo Digital Suaíli, liderado pela professora Regiane Augusto de Mattos, da PUC-Rio, que oferece vasta documentação sobre populações do norte moçambicano. O projeto teve apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Cortes previstos nas verbas de universidades públicas e agências de fomento murcharão a cooperação acadêmica. O Brasil dominante vira as costas à África. A própria indiferença à calamidade dos ciclones evidencia o desprezo. Ignoram-se os profundos laços que nos unem, que nos explicam a nós mesmos. Todavia, dada a recente seletividade, é bom que se saiba que sempre estaremos mais ligados às areias do Índico que às pedras da Notre Dame.

Caio do Valle Souza e Gabriele de Novaes Santos são mestrandos em história social na USP (Universidade de São Paulo), com pesquisas sobre aspectos do colonialismo em Moçambique.

 

Os artigos publicados no nexo ensaio são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do Nexo. O Nexo Ensaio é um espaço que tem como objetivo garantir a pluralidade do debate sobre temas relevantes para a agenda pública nacional e internacional. Para participar, entre em contato por meio de ensaio@nexojornal.com.br informando seu nome, telefone e email.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: