Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O bolsonarismo evangélico e o mal-estar que ele gera


Este ensaio analisa o que tornou Jair Bolsonaro tão atraente para os líderes evangélicos conservadores, a ponto de o considerarem como o eleito de Deus

“Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são” (Texto bíblico citado pelo pastor Silas Malafaia ao apresentar Jair Bolsonaro como candidato).

O bolsonarismo, como principal fenômeno político das eleições de 2018, é bem mais complexo do que se supunha. Enquanto os analistas tentam decifrá-lo a partir de ideias como “extrema direita”, “onda de conservadorismo”, “fascistização do discurso político”, gostaria de me deter brevemente no segmento evangélico, que ganhou destaque nas eleições por sua adesão majoritária e qualitativa ao candidato Jair Bolsonaro.

Houve uma operação peculiar que garantiu a eficácia simbólica da conversão qualitativa e do empenho ativista de lideranças que cruzam o espectro diverso do evangelicalismo brasileiro: Jair Messias Bolsonaro investiu com muito sucesso num simbolismo típico relacionado ao uso fundamentalista da Bíblia. Utilizando o linguajar evangélico corrente, investiu-se e foi investido de uma espécie de “unção messiânica” para realizar um “destino manifesto” declarado há muitos anos pelo jargão evangélico neopentecostal: “O Brasil é do Senhor Jesus” (transmutado estrategicamente para fins eleitorais em “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”).

Diante das duas outras candidaturas evangélicas, Cabo Daciolo e Marina Silva, o candidato que mereceu a estrondosa adesão de lideranças e o voto de diferentes comunidades de fé evangélica foi capaz de tocar no seu imaginário religioso com uma estratégia extremamente pensada e eficaz de mitologização política (no jargão das ciências sociais), construída ao longo dos últimos anos.

A unção

A relação de Bolsonaro com o segmento evangélico se adensou por meio de enfrentamentos partilhados com a Frente Parlamentar Evangélica, no contexto da visibilização de controvérsias em torno de pautas morais vis-à-vis a agenda de direitos humanos, e protagonizadas em certos momentos do debate parlamentar da última década. Tal adensamento se construiu na medida da aproximação e apropriação do discurso que os evangélicos conservadores têm chamado de “defesa da família” e contra a “ideologia de gênero” dos movimentos feminista e LGBTI.

Mas a largada da “unção evangélica” foi, seguramente, o batismo no rio Jordão, em Israel, local de alta densidade sagrada para evangélicos, feito pelo pastor da Assembleia de Deus e presidente do PSC (Partido Social Cristão), Everaldo Pereira. Esse foi um passo fundamental para que o capitão reformado do Exército, que sempre se declarou abertamente católico, como ainda se declara, pudesse ser reconhecido por fiéis como alguém “temente a Deus” e pessoa próxima das igrejas evangélicas.

O batismo de Jair Bolsonaro aconteceu durante a admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff pelo Senado Federal, em maio de 2016. A data “coincide” com as comemorações do 68º aniversário da criação do Estado de Israel, consolidado no contexto da primeira guerra árabe-israelense, ou Al-Nakba (A Catástrofe), para os palestinos.

O fato de sua terceira esposa ser evangélica de longa data (a primeira também é, razão da identidade evangélica dos filhos parlamentares), tendo frequentado por vários anos a igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, liderada pelo pastor Silas Malafaia, passando a participar posteriormente da Igreja Batista Atitude, é indicativo de uma aproximação mais orgânica no plano pessoal. Seus filhos também se fizeram batizar no rio Jordão na mesma ocasião. Bolsonaro é um outsider reconhecido como “um dos nossos”, um “amigo do Evangelho”.

A missão

Bolsonaro, no entanto, não apenas se fez batizar por imersão nas águas do rio Jordão, do jeito mais conhecido e reconhecido pelos evangélicos. Também se apropriou da própria linguagem religiosa dos crentes, dizendo-se possuidor de uma “missão divina”. Ao filiar-se ao PSL (Partido Social Liberal) para concorrer à Presidência da República, disse estar imbuído de uma missão dada por Deus e que é um chamado que não poderia evitar.

O batismo no rio Jordão e a declaração de possuir uma missão divina não estariam completos se não fosse o próprio ato institutivo, o que muitos evangélicos chamariam de “ato profético”, a oração da unção, realizadas por distintos modos e jeitos de fazer evangélico, colocando sobre Bolsonaro a autorização para “tomar posse” do que se espera em seu slogan: “Deus acima de todos”.

É inegável o mal-estar evangélico, com raras exceções, com as mudanças advindas dos processos de pluralização, individualização e destradicionalização da vida social brasileira

Bolsonaro conseguiu aquilo que Cabo Daciolo não foi capaz de alcançar, a despeito de seu peculiar exotismo tipicamente pentecostal, ou Marina Silva, com seu já reconhecido pertencimento à maior denominação pentecostal do país, a Assembleia de Deus. A ex-ministra do Meio Ambiente foi alvo das desconfianças de seus pares evangélicos por não assumir com clareza as bandeiras típicas do moralismo conservador que a Frente Parlamentar Evangélica adotou estrategicamente como sua agenda, visando votos, influência e moeda de troca.

Bolsonaro tornou-se um símbolo, ao ajustar seu alinhamento com essa frente parlamentar, no antiesquerdismo verborrágico encontrado nas pautas morais, especialmente as relacionadas aos direitos sexuais e reprodutivos. Bolsonaro declarou-se “a favor da família”, nos termos evangélicos: contra o aborto, os direitos das pessoas LGBTI, contra a legalização da maconha, a favor do armamento do “cidadão de bem” e do punitivismo penal.

A sagração

O ápice dessa operação simbólica, organicamente efetiva e afetiva, se completa na “sagração” da jornada eleitoral de Messias Bolsonaro. Foi o professor Pablo Ortellado quem chamou atenção no Twitter para o fato de que houve um duplo discurso do presidente eleito Jair Bolsonaro ao saber-se vencedor: o discurso para o complexo político-econômico-midiático, em que acentuou o respeito à Constituição e às normas democráticas, e o discurso para suas bases. No discurso aos seus apoiadores, uma oração ao estilo pentecostal, de mãos dadas e olhos fechados, por parte do pastor-senador Magno Malta, também bastante conhecido por sua verborragia moralista e antiesquerdista, e uma fala informal de vitória, recheada de palavrório evangeliquês.

Nesse “momento solene”, na noite de domingo da eleição, quando se encontravam reunidas as igrejas evangélicas em seus cultos mais concorridos, pastores não poderiam deixar de anunciar, como o fizeram, Messias Bolsonaro presidente, seguindo-se aplausos, assobios, “glórias e aleluias”, orações de gratidão a Deus e projeções da bandeira nacional ou do próprio presidente eleito, agora tratado como resposta de orações e o novo representante do povo de Deus no Palácio do Planalto.

O mal-estar evangélico

O que torna Messias Bolsonaro tão atraente para os líderes evangélicos conservadores, a ponto de o “ungirem” como o eleito de Deus nessa hora? A resposta, a meu ver, está no fato de que o “mito” oferece uma ancoragem segura no imaginário autoritário que pervade hoje uma parte expressiva das lideranças evangélicas, tanto pentecostais como não pentecostais, de consolidar o projeto de substituir o catolicismo como religião civil da nação brasileira. A eleição de Bolsonaro valida, assim, tais pretensões de setores amplos das lideranças eclesiais, com o apoio significativo de muitos de seus seguidores, e conta com o silêncio conveniente de setores importantes de segmentos evangélicos outrora moderados.

Essa pretensão de hegemonia cultural faz com que se encontrem o “poder político”, já habilmente aquilatado em 30 anos de presença na política partidária, com o “poder religioso”, que cresce a olhos vistos, e que se ressente da paulatina desconstrução de seu “poder patriarcal” (1) e “poder moral” (2) sobre os corpos de mulheres e outras minorias que, nas últimas duas décadas, vêm paulatinamente emancipando-se do controle exercido pela moralidade conservadora dita cristã. Essa moralidade mais recentemente tem sido vocalizada por segmentos evangélicos altamente cerceadores da liberdade sexual e antagônicos à igualdade de gênero.

O “poder patriarcal evangélico” é a ilusão que homens evangélicos possuem de que podem assegurar a manutenção do status quo familial, na desigualdade de gênero, em que o “macho evangélico” pretende que continue a ter sancionado o seu domínio inconteste sobre a família, na reprodução da perspectiva do cis-heteropatriarcado que o cristianismo gestou ao longo dos séculos, desde Santo Agostinho, dando ao homem o “direito bíblico” de controlar o que sua mulher e filhos fazem na escola, no trabalho, nas ruas.

O “poder moral evangélico” é a expectativa de que se possa impor ao país os supostos valores cristãos, como os evangélicos os leem, que recusam a mulheres e pessoas LGBTI, especialmente, mas também a outros segmentos sociais subalternizados, o reconhecimento de seus modos de vida heterodoxos perante o Estado.

É inegável o mal-estar evangélico, com raras exceções, com as mudanças advindas dos processos de pluralização, individualização e destradicionalização da vida social brasileira, assim como com a presença cada vez mais ativa e engajada dos setores da população que empurram o país para seu futuro inexorável de superação de desigualdades históricas.

Recente pesquisa do Pew Research Center ilustra bem alguns desses aspectos. Enquanto 68% dos brasileiros acreditam que a igualdade de gênero aumentou no país nos últimos 20 anos e 54% opinam que a diversidade étnica, racial e religiosa também aumentou, apenas 19% acreditam que os laços familiares se fortaleceram nestas duas décadas. Não é por acaso que 59% da população veem com bons olhos o papel público da religião, entre os quais 67% são religiosamente ativos, como os evangélicos pentecostais.

O poder religioso evangélico-pentecostal adquiriu sua maior força nos acontecimentos que ocasionaram a deposição da presidente Dilma Rousseff. Sua fidelidade radical e subserviente a esse projeto, determinado pelos acordos de bastidores entre bancadas ultraconservadoras e regressivas em direitos como a ruralista e das armas, levou-o a alcançar maior acesso a recursos e influência em negociações de seu interesse. Mas, descontentes com o papel coadjuvante, as elites políticas evangélicas lançaram-se no projeto de mais alto risco de sua história recente desde o apoio ao golpe civil-militar de 1964: apoiar sem reservas a extrema direita, representante maior do antagonismo aos direitos humanos e da onda conservadora que bateu na ressaca da crise do sistema político pós-2013.

Quando legitima o moto deslaicizante “Deus acima de tudo”, o bolsonarismo evangélico quer, para além do que o identifica com as razões que levaram a sociedade brasileira a eleger o capitão do Exército, que ele garanta aos que o consagraram mito o acesso aos mecanismos de poder real e simbólico que lhes permita prestar culto a deuses que já são náufragos nas águas agitadas da pluralidade cultural, individualização e destradicionalização brasileira. É uma tarefa destinada ao fracasso. Já veremos se os evangélicos conseguirão andar sobre as águas.

Flávio Conrado é doutor em antropologia pela  UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), com pós-doutorado pela Universidade de Montreal (Quebeque), e ativista de direitos humanos. Organizou a coletânea "Reimaginar a Igreja no Brasil: 40 Vozes Evangélicas” (Novos Diálogos, 2017).

Os artigos publicados no nexo ensaio são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do Nexo. O Nexo Ensaio é um espaço que tem como objetivo garantir a pluralidade do debate sobre temas relevantes para a agenda pública nacional e internacional. Para participar, entre em contato por meio de ensaio@nexojornal.com.br informando seu nome, telefone e email.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: