Ir direto ao conteúdo

Por que as autocríticas de Fernando Haddad são importantes


Candidato do PT à Presidência soube reconhecer os erros de seu partido durante esta campanha eleitoral

A eleição de 2018 é um momento singular na história do Brasil. De um lado, temos Jair Bolsonaro, o candidato que promete renovação, sendo nada além de um retorno ao velho autoritarismo militar e ao que a política latino-americana sabe produzir de pior: desprezo às liberdades individuais, ameaça às instituições com intolerância e ataque aos indivíduos que pensam diferente de suas convicções.

Do outro lado está Fernando Haddad, um candidato desafiado a mostrar que seu grupo político, ao retornar ao poder, não reproduzirá práticas que desaguaram em alguns dos maiores casos de corrupção revelados na história do país. Fernando Haddad tem o desafio de convencer que as relações políticas e financeiras entre setor público e setor privado serão virtuosas em um novo governo. Como tem dito reiteradamente nos meses de campanha, por exemplo em fala à Rádio Jovem Pan em 16 de outubro, “Às vezes as pessoas falam que é preciso admitir que o PT errou. É claro que errou, mas o projeto de inclusão que o PT representou não pode ser descartado”.

Para evitar a tragédia de oferecer a Presidência da República a um ex-militar favorável à tortura, à restrição de direitos e ao desmonte do Estado de bem-estar social, o momento requereu de Fernando Haddad a coragem de avaliar a experiência do PT no poder e mostrar que o partido é capaz de aprender com os erros e acertos dos 13 anos que desaguaram no caos do impeachment e da crise econômica.

Mais do que um pedido de desculpas, os meses de campanha permitiram que a sociedade brasileira enxergasse o que o PT construiu, mas também onde o partido errou. Em uma cultura política avessa à verdade e submissa à propaganda, os gestos de autocrítica de Haddad devem ser considerados de inestimável valor, assim como o conjunto de propostas que querem retomar um projeto de país desenvolvido e soberano que envolva a sociedade através do diálogo e desarme do conflito hobbesiano em que nos encontramos: a guerra de todos contra todos.

Haddad soube, na prática, reconhecer os erros das alianças em excesso. A candidata a vice-presidente, Manuela D'Ávila é a prova concreta dessa autocrítica tão necessária - uma aliança em torno de afinidades, de projetos, de uma ideia de país melhor, e não em troca de minutos de TV e palanques.

Haddad soube reconhecer os erros na forma como o PT financiou as campanhas eleitorais até 2014, apoiando-se em más relações com o setor privado e no nefasto modelo de financiamento eleitoral que caracterizava a política brasileira e todos os seus partidos desde Collor. Como disse em entrevista ao programa Roda Viva, em 22 de outubro, "Certamente, teve pessoas que usaram o financiamento de caixa dois, financiamento ilegal de campanha, para enriquecer. São dois crimes: financiamento de caixa dois e o enriquecimento, que ainda é mais grave. Por isso, tem uma pena maior. Acredito que teve gente que se valeu disso para enriquecer. Sou a favor de punição exemplar dessas pessoas."

Haddad soube reconhecer os erros da política macroeconômica posteriores a 2010, período em que a perda de arrecadação decorrente da crise econômica foi agravada por uma uma inconsequente política de desoneração fiscal, e de maquiagem das contas públicas. Além de uma gestão surda à críticas, contrariando o “modo petista de governar” pautado no diálogo social, sendo incapaz de pacificar o conflito distributivo radicalizado com a crise fiscal e inflacionária de 2015. Como disse em outra entrevista recente, ao SBT, em 17 de outubro, “Eu acho que nos últimos dois anos do governo Dilma houve um erro grave. Nós desoneramos as empresas pensando que elas iriam gerar postos de trabalho. E isso não aconteceu. Nós vamos eliminar as desonerações para equilibrar as contas públicas".

Está nas mãos de cada um de nós a possibilidade de eleger um governo comprometido com a democracia como valor universal, dando nova chance a quem fez muito pela justiça social no Brasil

A Venezuela, calcanhar de aquiles da política externa dos governos do PT, também foi alvo de críticas por Fernando Haddad. O candidato disse ao jornal El País, em 14 de outubro, "não ter compromisso com nenhum regime autoritário" e que apoia saída democrática.

Entre outros momentos, Haddad reconheceu também que o PT errou nas formas como controlou as estatais e nas relações estabelecidas com o Congresso Nacional, o que acomodou seus governos no lamaçal da baixa política e significou a perda de quadros e capital político importantes. A paralisia dos governos em temas essenciais como as reformas política e tributária foram outras das consequências. Para ele, segundo entrevista em 13 de outubro,"Faltou controle interno nas estatais. Isso é claro. Diretores ficaram soltos para promover corrupção e enriquecer pessoalmente"."Não ter feito a reforma política foi um erro", disse ainda no programa Roda Viva, em 22 de outubro.

Mas é preciso reconhecer algo crucial. Fernando Haddad foi sempre um gestor público corajoso no enfrentamento das adversidades. Realizou gestos concretos no sentido da auto crítica quando foi prefeito de São Paulo. Enfrentou uma máfia poderosa e valorizou a controladoria. Na economia do município, entregou uma cidade sem dividas, que agora permite que seu sucessor contraia empréstimos e retome a capacidade de investimento. Ele fez o que ele fala.  Sua coragem e habilidade política foram capazes de produzir boa parte da autocrítica que a sociedade brasileira demanda, abrindo portas e promovendo pontes para a articulação de uma frente democrática para ajudar o Brasil a superar este obscuro momento de crises política, econômica e ética. Haddad representa uma nova esquerda moderna e sensível à sociedade que desejamos para o futuro.

Na trilha aberta por Haddad, esperamos que tais gestos de autocrítica permitam que milhões de eleitores percebam que erros têm sido reconhecidos por Haddad e pelo PT, assim retomando sua disposição de investir em uma candidatura e em um programa de governo que têm a boa gestão pública, a responsabilidade fiscal, a equidade, a diversidade, a ética, a proteção do meio-ambiente e a cultura de paz como valores inegociáveis.

Está nas mãos de cada um de nós a possibilidade de eleger um governo comprometido com a democracia como valor universal, dando nova chance a quem fez muito pela justiça social no Brasil. Está nas mãos de cada um de nós dizer não a quem nega o diálogo e a boa política, e a quem prega a violência como forma de governo. O Brasil que quer a tolerância, o respeito e o pluralismo irá agradecer e engrandecer.

 

Rogério Silva é doutor em saúde pública pela USP e psicanalista pelo CEP. Foi um dos articuladores do movimento Quero Prévias.

Cassio França é cientista político, doutor em administração pública pela FGV-SP, especialista em Politics of Policy Making na Erasmus Universiteit Rotterdam, Holanda e ontologia da linguagem na Universidad San Sebastian, Chile.

Alexandre Sampaio Ferraz é economista e doutor em ciência política.

Letícia Schwarz é antropóloga, mestre em sociologia política pela UFPB, trabalhou no governo federal por mais de 15 anos até 2013, especialmente nas áreas de planejamentos e gestão.

Os artigos publicados no nexo ensaio são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do Nexo. O Nexo Ensaio é um espaço que tem como objetivo garantir a pluralidade do debate sobre temas relevantes para a agenda pública nacional e internacional. Para participar, entre em contato por meio de ensaio@nexojornal.com.br informando seu nome, telefone e email.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: