Foto: Danish Siddiqui/Reuters - 10.12.2012

Tecnologia da desigualdade: como os chatbots podem ajudar a moldar um mundo (ainda mais) desigual


Estamos indo em direção a um mundo onde cada pessoa poderá adquirir seu assistente pessoal inteligente ao nascer, usufruindo de seus serviços durante toda a vida

Chatbots são programas que têm como função principal substituir humanos. Com a premissa de que são ainda mais eficientes do que um assistente de carne e osso, esses programas, que existem desde que os primeiros algoritmos foram escritos, só agora dispõem de informações e poder de processamento para serem realmente melhores do que pessoas em determinadas tarefas. A internet, que também é responsável por grande parte da coleta dessas informações, permite a distribuição comercial massiva de chatbots e também sua personalização ao máximo.

Estamos indo em direção a um mundo onde cada pessoa poderá adquirir seu assistente pessoal inteligente ao nascer, usufruindo de seus serviços durante toda a vida, serviços estes que tendem a ficar cada vez melhores com o tempo, pois a interação com o “dono” torna o robô ainda mais inteligente. Nesse mundo, o acesso à internet não será o único obstáculo para o acesso ao conhecimento, mas também o acesso às melhores lojas de apps, em determinadas línguas, garantido por credenciais diferenciadas, ou até a versão do sistema operacional instalado em um dispositivo móvel. No mundo dos chatbots personalizados o aprofundamento abismal da desigualdade social só não acontece caso o acesso à ciência, à internet e às tecnologias da web seja aberto e universal, além de respeitado como um direito humano e não visto como um diferencial competitivo por poucas empresas globais.

A web, a camada que permite que humanos tenham acesso ao que está na internet, foi pensada segundo princípios do compartilhamento e abertura de conhecimento. Para além, a web hoje é também uma camada de armazenamento de informações eficiente, conforme sonhou Tim Berners Lee, o físico do Cern que criou a estrutura da World Wide Web:

“Eu tenho um sonho para a web, em que computadores se tornam capazes de analisar dados que estão na web -  conteúdo, links e transações entre pessoas e computadores. Uma Web Semântica, que pode fazer isso ser verdade vai surgir, e quando isso acontecer, mecanismos do dia a dia, como trocas e burocracias das nossas vidas, serão gerenciados por máquinas que falam entre si. Os agentes inteligentes que as pessoas têm sonhado por séculos finalmente serão realidade.”*

Atualmente muito desse sonho está implementado. A web se tornou um repositório de informações rico, em constante aprimoramento, onde máquinas conseguem identificar fragmentos de informações e utilizá-los sem que humanos precisem interagir com eles. Todas as interações das pessoas com a web: seja uma simples busca, uma curtida ou o upload de um vídeo para uma rede social, é um registro a mais nesse gigante banco de dados interligado. Essas informações alimentam empresas que vendem serviços baseados em cruzamentos de dados estratégicos. Combinando esses dados, serviços podem ajudar pessoas a encontrar o melhor produto, agendar compromissos, organizar a caixa de e-mails, organizar a lista de contatos, encontrar a melhor rota - ou o melhor meio de transporte; ajudar nos estudos, pesquisar os melhores resultados na web em determinadas situações… São infinitas possibilidades.

Serviços direcionados à geração digitalmente nativa são promessa de um futuro de robôs auxiliando pessoas

Considerando que a época atual é de alta disponibilidade de dados, também chamados de “big data”, existe um movimento grande em torno de se utilizar esses dados de modo a gerar lucro. Assim, ganham força as técnicas associadas à inteligência artificial para análise e utilização desses dados disponíveis. Segundo Douglas Hofstadter, professor de ciências cognitivas e autor do livro “Gödel, Escher, Bach: um entrelaçamento de Gênios Brilhantes”, considerado a bíblia da inteligência artificial, AI é a “a tentativa de entender a mente ou criar algo semelhante a um ser humano”. Essas técnicas dão aos chatbots a capacidade de aprender continuamente, conforme se alimentam de dados disponíveis, melhorando a cada momento a capacidade de realizar as tarefas para as quais foram programados.

Aproveitando-se dessa técnica, várias empresas estão lançando serviços baseados em robôs. O setor financeiro, que se aquece com a moda das Fintecs, em um momento em que os bancos se mostram defasados em termos de serviços ao usuário, apresenta inúmeras plataformas que se baseiam em chatbots para auxiliar pessoas no gerenciamento do dinheiro. Serviços direcionados à geração digitalmente nativa são promessa de um futuro de robôs auxiliando pessoas, solucionando o problema que representa a baixa educação financeira das pessoas. A Cleo, por exemplo, oferece um time de chatbots baseados em técnicas de aprendizado de máquina para ajudar a escolher o melhor investimento para pequenos investidores. A Chip promete auxiliar jovens a economizar dinheiro no dia a dia, assim como a WithPlum, ou a Current e a Sway, ambas integradas com a plataforma de mensagens Slack, largamente utilizada por jovens ultraconectados.

O setor financeiro é apenas um exemplo de aplicação de chatbots. O cenário, no entanto, pode ser facilmente replicado em vários outros setores, inclusive aqueles que são cruciais ao desenvolvimento do ser humano. Educação e saúde, por exemplo, já começam a ser explorados por empresas oferecendo serviços personalizados. Essa oferta de auxiliares virtuais inteligentes voltada à competição e à geração do lucro, no entanto, pode gerar um abismo ainda mais difícil de transpor em termos de desigualdades sociais. O acesso a um assistente inteligente desde a infância pode determinar muito da qualidade da educação de determinado grupo de crianças. O acesso de um chatbot a dados de qualidade, baseados em ciência e ratificados por organismos internacionais também pode determinar o alcance a melhores soluções para a saúde, ou até para o não endividamento das pessoas, no caso das Fintecs.

Para evitar que tecnologias digitais acentuem a desigualdade ainda mais, é necessário que perguntas antigas sejam direcionadas a essa nova realidade. Governos, que hoje sofrem uma crise de representação, talvez reencontrem parte dos seus motivos para existir em esforços para a manutenção de direitos humanos em tempos de robôs e inteligência coletiva, refazendo perguntas antigas em cenários nunca vistos antes. Ferramentas de acesso aberto e dados abertos se mostram como um contraponto para um futuro que está a um fio de se tornar uma distopia e é urgente que o que era antes ficção científica passe a ser levado a sério.

*Tradução livre do trecho de "Berners-Lee, T., Fischetti, M. and Foreword By-Dertouzos, M.L., 2000. Weaving the Web: The original design and ultimate destiny of the World Wide Web by its inventor. HarperInformation."

Yasodara Córdova é pesquisadora do Berkman Klein Center em Harvard, Desenhista Industrial e desenvolvedora de software, além de co-chair do Grupo de trabalho para Dados na Web do W3C (DWBP WG).

Os artigos publicados no nexo ensaio são de autoria de colaboradores eventuais do jornal e não representam as ideias ou opiniões do Nexo. O Nexo Ensaio é um espaço que tem como objetivo garantir a pluralidade do debate sobre temas relevantes para a agenda pública nacional e internacional. Para participar, entre em contato por meio de ensaio@nexojornal.com.br informando seu nome, telefone e email.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: