Vetar os surdos de informação é criminoso

Emissoras de televisão precisam oferecer os recursos de acessibilidade previstos em lei, para que todos os cidadãos brasileiros possam ter acesso à informação na crise do novo coronavírus

Lais Yasunaka, 38, professora de Libras e membro da minha equipe de trabalho, ouviu poucos sons em sua vida. Um antibiótico usado para combater uma infecção a deixou surda quando ainda estava na maternidade. Para ter acesso à educação — concluir duas graduações e uma pós — precisou enfrentar um Brasil excludente aos que não ouvem. Ao meu lado e de nossa equipe, Lais vem trabalhando para ajudar outros surdos a terem acesso à informação. Informação que em tempos de pandemia vem salvando vidas.

Mara Gabrilli foi eleita senadora pelo PSDB de São Paulo em 2018. Neste mesmo ano também foi eleita para representar o Brasil no Comitê sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência da ONU (Organização das Nações Unidas). É publicitária, psicóloga e fundadora do Instituto Mara Gabrilli. Já foi secretária municipal da capital paulista, vereadora da cidade de São Paulo e deputada federal por dois mandatos.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Tribuna

Já é assinante?

Entre aqui

Exclusivo para assinantes

Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
Assine o Nexo.