Nossas universidades federais faliram. E agora?

É preciso ter frieza para fugir da polarização e fazer um diagnóstico dos problemas estruturais que o ensino superior público enfrenta no Brasil

Alguns vão querer atacar o mensageiro, mas a realidade é que o atual modelo de estrutura da universidade pública brasileira se esgotou. A crise, especialmente política, gerada a partir dos contingenciamentos do governo federal neste ano foi apenas a última gota responsável pelo derramamento do copo. A verdade é que a causa raiz da falência de nossas universidades está longe de ser uma questão momentânea, apenas de fluxo de caixa. O problema é estrutural e de nada adiantará a retomada dos repasses, caso as finanças da União melhorem, se não modificarmos profundamente as premissas de funcionamento de nossas universidades e institutos federais.

Tiago Mitraud foi eleito deputado federal pelo Novo de Minas Gerais em 2018. É Líder RenovaBR, foi diretor executivo da Fundação Estudar e presidente da Brasil Júnior. Formou-se em administração pela UFPR e fez pós-graduação na Harvard Business School.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Tribuna

Já é assinante?

Entre aqui

Exclusivo para assinantes

Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
Assine o Nexo.