Marielle, símbolo da transição democrática brasileira

Apesar das tentativas das forças conservadoras, não é possível conter a energia das lutas que a memória de Marielle Franco evoca e potencializa

Nos últimos dias, com o aparecimento de novos fatos relacionados à execução política da vereadora Marielle Franco, ficou ainda mais evidente o quanto esse crime que abalou o Brasil tem produzido efeitos decisivos sobre o momento histórico que estamos atravessando.

Conforme noticiado pela imprensa, as investigações sobre o caso chegaram a um possível envolvimento da família Bolsonaro com os assassinos, em uma trama que desencadeou imediatamente reações desesperadas do presidente da República, do ministro da Justiça e do procurador-geral da República, entre outros atores bolsonaristas, que trataram de desqualificar a denúncia sem que houvesse uma conclusão definitiva do processo investigatório.

Independentemente dos desdobramentos que se seguirão e da verdade sobre os fatos, a morte premeditada de Marielle e, por consequência, do seu motorista Anderson Gomes, é um marco que sintetiza a fermentação de profundos abalos na estrutura da sociedade brasileira. Presenciamos um cenário em transformação.

Forças conservadoras e autoritárias se debatem raivosas, mas também atualizam formas mais racionais e organizadas de infiltração na vida cotidiana. As esquerdas convencionais têm pouca capacidade demonstrada, até o momento, de coordenar esforços e promover ações de base para retomar a democracia institucional. Emergem experiências inovadoras de feição antissistêmica a partir das lutas feministas, antirracistas, LGBTI, indígenas, entre outras, por condições dignas de existência. O símbolo de Marielle interpela tudo isso.

Detratores da memória de Marielle insistem, sem sucesso, em negar a sua extraordinária projeção política. Espalham mentiras, tentam abafar o caso como se fosse mais um número para as estatísticas de violência, querem esvaziar a pergunta insuportável para eles – quem mandou matar Marielle? – com a pergunta estúpida de quem teria mandado um homem em sofrimento psíquico dar uma facada em Bolsonaro. Eles fracassam em todas essas investidas porque é impossível corromper o significado de Marielle. Não podem conter a energia das lutas que ela evoca e potencializa.

Em tempos de renovada franquia do conservadorismo no Brasil, Marielle se tornou alvo emblemático do ódio.

O surto conservador diante do fenômeno, contudo, é compreensível. A figura de Marielle dá um curto-circuito nas emoções daqueles que se sentem ameaçados pelo poder encarnado por ela: mulher, negra, bissexual, mãe, favelada, acadêmica, altiva, sorridente, engajada, eleita. A miséria subjetiva causada pelo patriarcado e pelo racismo impede que se reconheça tanta alteridade.

Uma imagem autoexplicativa dessa pane mental talvez seja o exibicionismo de homens brancos ostentando armas ou fazendo gestos de armas como se aquilo pudesse lhes dotar de um poder que confessam não possuir por eles mesmos. Os brutamontes não aguentam uma mulher livre, empoderada por sua própria trajetória. Em tempos de renovada franquia do conservadorismo no Brasil, Marielle se tornou alvo emblemático do ódio.

Porém, a chama mobilizadora que atravessa Marielle, acesa muito antes do seu florescer público, se alastra com a sua execução. O encontro de lutas no corpo político de Marielle é a metonímia de como têm se formado redes de cooperação entre diversas lutas em uma chave interseccional. Uma luta puxa a outra. O que dá resultado é o fazer coletivo, a intervenção direta sobre os territórios, as alianças construídas entre quem se movimenta para mudar as coisas. O exemplo de Marielle comprova essa sabedoria experimentada na prática.

Por tabela, declina rapidamente o ranço esquerdista das grandes teses e manias de protagonismo desconectadas das realidades concretas das pessoas. Abre-se aí uma das fronteiras mais promissoras da transição democrática que está em curso no Brasil: começa a se afirmar um poder que vem da organização autônoma de mães e familiares de vítimas da violência estatal, estudantes negros e pobres, moradores das periferias, religiosos progressistas, educadores e comunicadores populares, artistas e agentes culturais, trabalhadores de serviços públicos que lidam na ponta com demandas da cidadania, defensores dos direitos humanos e do meio ambiente, ativistas urbanos e muitos outros coletivos. Tais experiências também começam a se lançar para a ocupação do sistema político, como fez Marielle.

Na manhã de 15 de março de 2018, o dia seguinte ao assassinato, milhares de Marielles brotaram no chão da Cinelândia, em frente à Câmara Municipal do Rio de Janeiro, onde o corpo da nossa irmã era velado. Eu estava lá e vi isso acontecer. A multidão tinha o rosto de Marielle. Ali estava exposto o símbolo gigante que ganhou o mundo porque consubstancia uma linguagem universal. Marielle, imortal, é um chamado de coragem. Como na belíssima música “Maré”, de André Mussalem, o Brasil não é o mesmo depois dessa voz que não cala nas quebradas.

Áurea Carolina foi eleita deputada federal pelo PSOL de Minas Gerais em 2018. Antes disso, foi a vereadora mais votada de Belo Horizonte em 2016. Atua em movimentos sociais desde a adolescência e é formada em ciências sociais pela UFMG, onde concluiu também mestrado em ciência política. Além disso, fez especialização em gênero e igualdade pela Universidade Autônoma de Barcelona.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Tribuna

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: