Coluna

Por que a ciência deve pautar políticas públicas

    A pouca importância que o atual governo dá aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável é realçada pela predatória política ambiental, associada a um tosco e intencional negacionismo científico

    Esta coluna foi escrita para a campanha #ciêncianaseleições, que celebra o Mês da Ciência. Em julho, colunistas cedem seus espaços para refletir sobre o papel da ciência na reconstrução do Brasil. Quem escreve é o físico e professor da USP (Universidade de São Paulo) Ricardo Galvão.

    O desenvolvimento socialmente justo e sustentável é um dos desafios mais complexos enfrentados pela humanidade em sua história. Visando superá-lo, a ONU (Organização das Nações Unidas) propôs, na Conferência RIO+20, realizada no Rio de Janeiro em 2012, os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, formalmente instituídos em sua Assembleia Geral, em 2015. Esse documento, também referido como Agenda 2030, é “universal e exige ação de todos os países, pobres, ricos e de renda média, para promover o crescimento econômico inclusivo e o desenvolvimento social, protegendo o planeta”. No entanto, sua implantação está longe de ser simples e, apesar de alguns esforços bem-sucedidos, poucas nações têm tomado as medidas necessárias para alcançar esses objetivos.

    Um fator que tem dificultado a implantação da Agenda 2030, além dos entraves econômicos e da resistência de grupos de interesse, é a ausência do conhecimento científico e tecnológico moderno na formulação de políticas públicas. Em documento publicado em 2016, o Conselho Científico Consultivo do Secretário-Geral da ONU realça o papel crucial da ciência para o desenvolvimento sustentável, afirmando que “as políticas de desenvolvimento sustentável devem ser ancoradas nos melhores conhecimentos e práticas científicas disponíveis dos seres humanos”, e que “a criação de conhecimento científico e as plataformas de tomada de decisão política devem estar, a este respeito, intrinsecamente ligadas”.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Alicia Kowaltowski é médica formada pela Unicamp, com doutorado em ciências médicas. Atua como cientista na área de Metabolismo Energético. É professora titular do Departamento de Bioquímica, Instituto de Química da USP, membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. É autora de mais de 150 artigos científicos especializados, além do livro de divulgação Científica “O que é Metabolismo: como nossos corpos transformam o que comemos no que somos”. Escreve quinzenalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.