Coluna

3 desafios para um governo que valoriza a ciência

    É preciso combater o triste cenário de desestímulo aos pesquisadores brasileiros e recompor o financiamento científico

    Esta coluna foi escrita por Hugo Aguilaniu para a campanha #ciêncianaseleições, que celebra o Mês da Ciência. Em julho, colunistas cedem seus espaços para refletir sobre o papel da ciência na reconstrução do Brasil. Hugo Aguilaniu é biólogo geneticista e diretor-presidente do Instituto Serrapilheira.

    Se o próximo governo federal estiver interessado – e desejamos que esteja – em abraçar a ciência brasileira e valorizá-la, após anos de desmonte, ele terá que enfrentar três grandes desafios.

    O primeiro é a recomposição do financiamento à ciência – não apenas dos fundos do próprio Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, mas também do FNDCT, o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O cenário dos investimentos públicos em ciência sempre foi de insegurança e fragilidade porque eles nunca constituíram uma política de Estado, e sim de governo. Além disso, o financiamento público federal à ciência tem caído sistematicamente desde 2014, com imenso prejuízo a instituições e pesquisadores de todo o país. Garantir a continuidade de políticas implica estruturar um sistema mais robusto de financiamento à ciência.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Alicia Kowaltowski é médica formada pela Unicamp, com doutorado em ciências médicas. Atua como cientista na área de Metabolismo Energético. É professora titular do Departamento de Bioquímica, Instituto de Química da USP, membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. É autora de mais de 150 artigos científicos especializados, além do livro de divulgação Científica “O que é Metabolismo: como nossos corpos transformam o que comemos no que somos”. Escreve quinzenalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.