Coluna

Quando futebol, autoritarismo e política se misturam

    Bolsonaro não é o primeiro líder autoritário a tentar usar a euforia em torno do esporte em busca de apoio para o seu projeto

    Depois da Colômbia e da Argentina desistirem de sediar a Copa América, o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe aceitaram sediar o evento no Brasil. Essa decisão causou grande surpresa já que o Brasil continua sendo hoje um dos maiores epicentros de coronavírus do mundo, com aproximadamente 2.000 mortes por dia. Alguns jogadores se manifestaram contra a decisão apoiados pelo técnico Tite, mas essa manifestação inicial não deu em nada, e os jogadores recuaram posteriormente. Por outro lado, patrocinadores importantes como Mastercard e Ambev retiraram seus nomes do evento com medo de serem associados ao regime bolsonarista.

    Mas por que no meio de tantas mortes, hospitais lotados, vacinação lenta e a possibilidade de uma terceira onda, Bolsonaro aceitou trazer a Copa América para o Brasil? Tem uma frase famosa do ex-jogador e historiador uruguaio Gerardo Caetano que diz “los que creen que el deporte no tiene nada que ver con la política o no saben nada de deporte o no saben de política”. Em português, “os que acham que o esporte não tem nada a ver com a política ou não sabem nada de esporte, ou não sabem nada de política”. A motivação para fazer a Copa América no Brasil não é econômica. A criação de empregos, sem grandes obras de infraestrutura e público nos estádios, será relativamente pequena. O que motiva Bolsonaro é pegar carona eleitoral num possível sucesso da seleção nos gramados em direção às eleições de 2022.

    Bolsonaro não será o primeiro líder autoritário a utilizar o futebol para buscar apoio para seu projeto político. A Copa do Mundo de 1934, sediada e vencida pela Itália e sua Azzuri, foi amplamente utilizada pelo líder fascista Benito Mussolini como uma prova do sucesso do modelo fascista. Após a final, ganha pela Itália, foi realizada uma cerimônia onde o hino fascista “Giovinezza” foi tocado e uma taça especial seis vezes maior do que a Jules Rimet foi oferecida a squadra Azzurra. O ditador espanhol Francisco Franco também utilizou o futebol para avançar suas ideias nacionalistas e fascistas, centralizando a gestão do futebol espanhol numa organização estatal que recomendava hinos de guerra como “Arriba Espana!” e “Viva Franco!” antes de jogos. Ele também renomeou o campeonato espanhol “Copa del Rey” para “Copa del Generalísimo" e mudou a camisa da seleção espanhola de vermelha para azul já que o vermelho era a cor do exército republicano derrotado na guerra civil.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Claudio Ferraz é professor da Vancouver School of Economics, na University of British Columbia, Canadá, e do Departamento de Economia da PUC-Rio. Ele é diretor científico do JPAL (Poverty Action Lab) para a América Latina. É formado em economia pela Universidade da Costa Rica, tem mestrado pela Universidade de Boston, doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley e foi professor visitante na Universidade de Stanford e no MIT.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.