Coluna

O populismo, a incompetência e a preguiça

    A resposta desastrosa do Brasil e de outros países à pandemia ilustra as consequências de uma característica comum a vários líderes populistas: a propensão a minimizar o esforço quando se trata de governar

    A resposta do Brasil à pandemia da covid-19 é um completo desastre: para confirmar o que vemos todos os dias, o think-tank australiano Lowy Institute acaba de ranquear o país como o pior na área, entre as 98 nações avaliadas. Poderíamos citar diversos exemplos da contribuição do governo de Jair Bolsonaro para esse trágico desempenho, mas todos eles nos levam inapelavelmente a um enigma: por que um governo se recusa a enfrentar um problema — e, pior, o agrava persistentemente —, quando nada poderia ter maior valor político do que solucioná-lo ou ao menos amenizá-lo?

    Incompetência e descaso são, sem dúvida, parte da resposta — tal como ilustrado pela presença de um ministro da Saúde que admitiu desconhecer o que é o SUS (Sistema Único de Saúde). Mas, a meu ver, existe um fator adicional, que interage com a inépcia e potencializa o seu impacto: a preguiça.

    De fato, é notável como, no mais das vezes, sempre que confrontados com escolhas sobre qual caminho seguir, o presidente Bolsonaro e os membros de seu governo optam pelas de menor esforço. Milhares de mortos? “Quer que eu faça o quê?” Falta oxigênio em Manaus? “Não é nossa atribuição”. Comprar vacinas? “Pra que essa ansiedade?” E não é só no âmbito da covid-19: “não posso fazer nada” é um refrão corriqueiro do presidente.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.