Coluna

Fotos do poder funcionam como monumentos

    Toda fotografia nasce para mentir e assim criar sua própria realidade, mas a do Taleban traz alguns detalhes que denunciam os andaimes da construção do documento

    Passei uma boa semana observando essa foto e as legendas que ela mereceu. Todas elas, sem tirar nem por, referiam-se à tomada de Cabul pelo Taleban. No entanto, a maioria dos comentários simplesmente desconhecia o local ou o contexto em que a foto fora realizada. O documento visual apenas testemunhava a existência do evento e nada mais. Algumas poucas legendas mencionavam que o ato ocorrera no Palácio Presidencial da cidade. Mesmo assim, não se fazia qualquer relação entre a imagem e o que se dizia dela. Tampouco se indagava uma certa estranheza contida na foto. Por que esse lugar tão formal? Por que usar essa imagem como ilustração?

    O certo é que o documento visual é todo construído de forma a procurar passar a sensação de que estamos presentes, fazemos parte, fomos transportados para esse momento inaugural. É como se fôssemos conduzidos magicamente para o lugar do acontecimento e atestássemos a sua monumentalização. Esse é o tempo anacrônico dos jornais que procuram passar a falsa impressão da nossa presença – inconteste – no exato minuto da foto. Somos nós “as sentinelas”, na ótima figura de linguagem criada por Ariella Azoulay, para definir uma atitude comum diante desse tipo de registro. Mais do que curiosos, nos transformamos, então, em participantes de um passado presente: um novo arquivo de nós mesmos. Arquivo não como local que preserva, mas como um lugar partilhado e que mantém esse passado incompleto. Um passado recente memorável e que deslumbra, mas seleciona. Lembra e esquece ao mesmo tempo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Lilia Schwarcz é professora da USP e global scholar em Princeton. É autora, entre outros, de “O espetáculo das raças”, “As barbas do imperador”, “Brasil: uma biografia”, "Lima Barreto, triste visionário”, “Dicionário da escravidão e liberdade”, com Flavio Gomes, e “Sobre o autoritarismo brasileiro”. Foi curadora de uma série de exposições dentre as quais: “Um olhar sobre o Brasil”, “Histórias Mestiças”, “Histórias da sexualidade” e “Histórias afro-atlânticas". Atualmente é curadora adjunta do Masp para histórias.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.