Coluna

Bolsonaro estava nu na frente de seu castelo de cartas

    Rituais são feitos para encantar e quando não o fazem, como vimos, têm a capacidade de revelar as falácias de seus organizadores

    Causou espécie o desfile militar anunciado pelo presidente e seus ministros militares. Data marcada, cerimonial estabelecido, ele foi realizado em Brasília no dia 10 de agosto pela manhã. No entanto, chegada a hora, depois de muito suspense, o que se assistiu foi tudo menos um evento grandioso. Passou em desfile a própria falência do teatro do poder, tão alardeado por Jair Bolsonaro.

    Em meio a uma série de declarações golpistas, e bem na semana em que estava prevista a votação do voto impresso na Câmara, o Ministério da Defesa divulgou a organização desse desfile de blindados que passaria bem em frente ao Palácio do Planalto, para saudar o presidente. De acordo com um comunicado da Marinha, a parada também marcaria a entrega, a Bolsonaro e ao Ministro da Defesa Walter Braga Netto, de um convite para que as autoridades acompanhassem, na segunda-feira seguinte (dia 16 de agosto de 2021), um tradicional exercício da Marinha que ocorre desde o ano de 1988.

    No entanto, havia novidade na comemoração considerada “tradicional”, já que no Brasil o tempo curto logo vira tradição. Embora autoridades políticas e militares sejam regularmente chamadas para assistir à “Operação Formosa”, que ocorre na cidade de mesmo nome em Goiás, essa foi, porém, a primeira vez que o convite continha um desfile de blindados militares em Brasília. Segundo a Marinha, ainda, a “Operação Formosa” envolveria neste ano mais de 2.500 militares das três Forças. Aliás, é importante destacar que essa seria a primeira edição em que Exército e Aeronáutica participam do ato ao lado da Marinha. O espetáculo todo era, assim, anunciado a partir da sua magnanimidade, contando com 150 diferentes equipamentos, entre carros de combate, blindados, aeronaves e lançadores de mísseis e foguetes. Tudo feito para impressionar e performar a potência militar, sua virilidade e força de espírito.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Lilia Schwarcz é professora da USP e global scholar em Princeton. É autora, entre outros, de “O espetáculo das raças”, “As barbas do imperador”, “Brasil: uma biografia”, "Lima Barreto, triste visionário”, “Dicionário da escravidão e liberdade”, com Flavio Gomes, e “Sobre o autoritarismo brasileiro”. Foi curadora de uma série de exposições dentre as quais: “Um olhar sobre o Brasil”, “Histórias Mestiças”, “Histórias da sexualidade” e “Histórias afro-atlânticas". Atualmente é curadora adjunta do Masp para histórias.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.