Coluna

A pandemia dos não-vacinados e a saúde das instituições

    O que temos agora é uma pandemia decorrente da falta de vacinação. Que tantos continuem morrendo pelo mundo afora é resultado de falhas institucionais diversas que levam à lentidão da imunização

    É um grande exagero, para dizer o mínimo, falar em “pandemia controlada” no Brasil, dadas as mais de 1.000 mortes que continuam ocorrendo diariamente (na média móvel). Essa percepção, por distorcida que seja, parece no entanto refletir uma mudança real na natureza da doença. Hoje em dia, com o verdadeiro milagre científico representado pelo desenvolvimento das vacinas, a covid-19 transformou-se em uma doença fundamentalmente evitável, ao menos em sua versão mais grave. Algo como, digamos, uma “gripezinha”.

    O que temos agora é, pois, uma pandemia decorrente da falta de vacinação. Que mais de 8.000 pessoas continuem morrendo no mundo a cada dia é o resultado de a expansão da vacinação estar se dando de forma lenta.

    O que explica essa lentidão, e a consequente persistência dessa pandemia dos não-vacinados? Em alguma medida, óbvia e tragicamente, trata-se de uma manifestação direta da enorme desigualdade e parca solidariedade entre países. Isso é ilustrado pelo exemplo da África, onde menos de 3% da população recebeu ao menos uma dose de vacina. Na maioria dos países do continente, isso é consequência direta da insuficiência de recursos e infraestrutura para adquirir e administrar as vacinas, somada à indesculpável demora da comunidade internacional em compartilhar as doses adquiridas pelos países mais ricos.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.