Coluna

A ‘vacina’ de Madureira e os entraves ao desenvolvimento

    Suposta venda de imunizante no bairro carioca é investigada pela Anvisa e Polícia Federal. Ainda que não seja confirmado, o episódio ilustra alguns dos obstáculos institucionais e culturais do país

    Em fins de dezembro, uma notícia tragicômica espalhou-se pelas redes sociais no Brasil: a vacina de Madureira. Camelôs do bairro carioca estariam vendendo, por módicos R$ 50, um suposto imunizante para o famigerado Sars-CoV-2 — com direito a certificado de inoculação, aparentemente. Cômico por pitoresco e trágico pelo grotesco desprezo pela vida alheia que ele manifesta, esse pequeno episódio (ainda que não confirmado) ilustra alguns dos obstáculos de natureza institucional e cultural que entravam o desenvolvimento no Brasil.

    No plano mais evidente, a suposta vacina de Madureira emergiria das falhas do Estado brasileiro. De um lado, a aposta de quem distribuiria um produto desta natureza é de que a fiscalização dos órgãos competentes opera de forma deficiente, permitindo-lhes subtrair o que deveria ser o retorno de quem opera dentro da lei. A ausência de ampla proteção aos direitos de propriedade reduz o incentivo ao investimento e à inovação etcetera e tal.

    Um pouco menos óbvio, talvez, é que a tal “vacina” é um sintoma da imperdoável incompetência do governo atual em viabilizar a vacinação contra a pandemia que já ceifou a vida de tantos brasileiros, e cariocas em particular. A demanda não suprida por meios seguros (e legais) não desaparece, mas é potencialmente transferida, em parte, para alternativas desse calibre. É importante notar que não se trata aqui de uma ausência de capacidade operacional do Estado — o que a ciência social convencionou chamar de capacidade estatal (state capacity). No exemplo de Madureira, vale a pena perguntar por que não existe — ao menos até onde sei — um mercado similar para uma pseudovacina contra a poliomielite, ou para imitações do coquetel antirretroviral que garante a sobrevida de quem é HIV positivo. A resposta me parece simples: não há demanda, porque o mesmíssimo Estado zelou, ao longo dos anos, pelo bom funcionamento da provisão desses produtos. Isso ilustra que o mau funcionamento, no caso da vacina, é, em última análise, uma escolha de política pública.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.