Coluna

Uma outra democracia em risco: a dos Estados Unidos

    Mesmo atrás nas pesquisas eleitorais, o comportamento do presidente Donald Trump e as atitudes de seu partido podem acelerar a erosão do sistema democrático do país

    Venho há algum tempo neste espaço, talvez sob pena de repetição, advertindo para os riscos que pairam sobre a democracia brasileira nos tempos atuais. Em grande medida, minha percepção sobre a trajetória do Brasil sob Bolsonaro vem carregada de impressões obtidas pelo outro exemplo de populismo de tendências autocráticas que venho acompanhando de perto, aqui nos EUA, sob Donald Trump. Ainda que dois anos à frente, este lamentável experimento de erosão democrática tem o atenuante de a democracia norte-americana ser muito mais consolidada que a brasileira. Assim, a deterioração ainda implicaria, tudo mais constante, um grau comparativamente menos preocupante de risco autoritário.

    Tudo isso segue sendo verdade. Mas no contexto atual — em meio ao impacto humano e econômico da pandemia — parece-me que, ainda que na média as perspectivas democráticas estejam mais positivas, com a probabilidade de derrota de Donald Trump, o risco de deterioração extrema também aumentou.

    Esse risco tem dois componentes: um conjuntural, relacionado ao comportamento do presidente, e outro estrutural, relacionado ao seu partido. O primeiro advém do fato, hoje incontroverso, de que no cenário atual o candidato democrata Joe Biden é o grande favorito eleitoral. Com os EUA na liderança mundial em casos e mortes por covid-19 e a economia destroçada eliminando o grande argumento sobre o qual se baseava a campanha pela reeleição, não surpreende que as pesquisas indiquem um cenário difícil para o presidente.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Filipe Campante é Bloomberg Distinguished Associate Professor na Johns Hopkins University. Sua pesquisa enfoca temas de economia política, desenvolvimento e questões urbanas e já foi publicada em periódicos acadêmicos como “American Economic Review” e “Quarterly Journal of Economics”. Nascido no Rio, ele é PhD por Harvard, mestre pela PUC-Rio, e bacharel pela UFRJ, todos em economia. Foi professor em Harvard (2007-18) e professor visitante na PUC-Rio (2011-12). Escreve mensalmente às quintas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.