Coluna

Rumo a duas décadas perdidas

    Fatores estruturais e uma agenda econômica equivocada tornarão o impacto da crise causada pela pandemia muito mais duradouro no Brasil do que em outros países

    A queda histórica do PIB brasileiro do segundo trimestre de 2020 veio ainda maior do que o esperado: 9,7% em relação ao primeiro trimestre de 2020 e 11,4% em relação ao segundo trimestre de 2019. Considerando que o auxílio emergencial sozinho foi responsável por evitar que os 50% mais pobres reduzissem sua renda média habitualmente recebida pré-pandemia — o que certamente atenuou muito os efeitos da crise sobre o consumo das famílias — é difícil até imaginar qual seria o tamanho do choque provocado pela covid-19 na economia na ausência dessa e de outras medidas de expansão dos gastos públicos aprovadas nesse período.

    Não há dúvidas de que parte dessa queda se deveu aos efeitos pelo lado da oferta e da demanda que o próprio combate à origem da crise — a pandemia — exige. Isto porque, de um lado, setores inteiros ligados a atividades com alto risco de contágio têm de ser paralisados e, de outro, consumidores tampouco podem realizar boa parte de suas atividades habituais de consumo sem se expor ao vírus. Na prática, isso significa que o controle da pandemia por si só já seria capaz de trazer de volta boa parte da renda perdida, seja por meio da adoção de medidas adequadas, seja, no nosso caso, pelo surgimento de uma vacina (assumindo que não será boicotada por uma parte significativa da população).

    Mas para além da incerteza quanto ao sucesso e ao tempo que vai levar até esse controle, outros fatores conspiram contra uma recuperação rápida do PIB brasileiro. A começar pelos próximos meses do ano, em que a melhora na economia trazida pela reabertura de algumas atividades poderá ser parcialmente neutralizada pela redução do auxílio emergencial para o valor de R$ 300 entre setembro e dezembro. Se os R$ 600 distribuídos a mais de 70 milhões de pessoas atuaram como um contrapeso à altura para a perda de renda da metade mais pobre da população durante esses primeiros meses de pandemia, o aumento das desigualdades na renda do trabalho provocado pela crise não será mais compensado pelo auxílio quando essa transferência for reduzida em 50%.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Laura Carvalho é doutora em economia pela New School for Social Research, professora da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo e autora de “Valsa brasileira: Do boom ao caos econômico” (Todavia). Escreve quinzenalmente às sextas-feiras.

    Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.